Salvador

Centrais encerram ato por direitos trabalhistas em Salvador com indicativo de greve geral

Reunião, na próxima segunda-feira (22), entre as categorias definirá a data de uma greve geral dos trabalhadores da Bahia

Agência Brasil
Na capital baiana, representantes de centrais sindicais e movimentos populares se reuniram em frente à sede da Federação das Indústrias do Estado da Bahia (Fieb) e ao lado do edifício da BR Distribuidora SA, como parte da mobilização do Dia Nacional de Mobilização e Luta pelo Emprego.

O presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Cedro Silva, disse que na próxima segunda-feira (22) haverá uma reunião entre as categorias para definir a data de uma greve geral dos trabalhadores da Bahia, em conjunto com o restante do Brasil.

“Nós consideramos gravíssimas as ações do governo contra os trabalhadores. Ele [o governo de Temer] tem que adotar medidas para proteger a classe trabalhadora e não precarizar ainda mais, como quer fazer com o projeto da terceirização”, explica Cedro.

De acordo com a CUT, mais de 30 categorias estiveram presentes, como petroleiros, bancários, vigilantes, comerciantes, metalúrgicos, profissionais de saúde do município, químicos, trabalhadores da limpeza, da agricultura familiar, que protestavam “principalmente contra o fim de políticas que muito fizeram a classe trabalhadora avançar”.

A estudante de engenharia Ingrid Morais, de 23 anos, do Levante Popular da Juventude destacou a importância da participação dos jovens nas pautas ligadas ao trabalho. “É fundamental estar ao lado da classe trabalhadora, inclusive em um momento de resistência, porque não estamos lutando por mais, estamos lutando por direitos que a gente já conquistou", disse.

Ontem (16), os trabalhadores da BR Distribuidora entraram em greve de cinco dias para tentar barrar a venda da subsidiária que, segundo o sindicato, “vai para as mãos do capital estrangeiro”. Por causa da greve, o Sindipetro alerta para a possibilidade de faltar combustível.