Salvador

Cobrador fica ferido em ataque a ônibus no Rio Vermelho

Ônibus seguem sem circular na Santa Cruz, Nordeste de Amaralina e Vale das Pedrinhas

Redação Correio 24h

O cobrador Rafael Oliveira dos Santos ficou ferido durante um ataque a ônibus no início na tarde desta quarta-feira (25) no bairro do Rio Vermelho, em Salvador. Segundo Hélio Ferreira, presidente do Sindicato dos Rodoviários, Rafael sofreu queimadura nas pernas e nas mãos.

O coletivo, segundo o Sindicato, saiu do bairro Pero Vaz e estava a caminho da Pituba quando foi abordado pelos suspeitos na região da Ceasinha, que usaram líquido inflamável e fogo para destruir o coletivo. O veículo ficou parcialmente queimado. O rodoviário precisou ser internado e o estado de saúde dele é estável.

Foto: Almiro Lopes/CORREIO
Também na tarde de ontem, outro coletivo ficou completamente destruído depois de ter sido incendiado dentro do bairro Santa Cruz durante uma manifestação contra a morte de Erivelton Santana dos santos, 22 anos, em ação da Polícia Militar.

Por conta dos ataques, os ônibus pararam de circular nos bairros da Santa Cruz, Nordeste de Amaralina e Vale das Pedrinhas - onde vivem cerca de 55 mil pessoas, segundo o IBGE.

Na manhã desta quinta-feira (26), as linhas que atendem aos moradores dos três bairros seguem sem circular até o finais de linha. Para os moradores da Santa Cruz, um ponto de parada foi improvisado na frente do Parque da Cidade.

Segundo o vice-presidente do Sindicato dos Rodoviários, Fábio Primo, não há previsão para normalizar o serviço. O policiamento segue reforçado na região, segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP-BA).

Morte
Erivelton  foi morto nesta quarta-feira (25), segundo a SSP, "ao tentar intimidar as forças de segurança". O suspeito foi baleado por policiais do Pelotão Especial Tático Ofensivo (Peto) da 40ª Companhia Independente da Polícia Militar (CIPM/Nordeste de Amaralina). Socorrido ao Hospital Geral do Estado (HGE), Erivelton não resistiu aos ferimentos.
Erivelton foi morto durante ação da PM (Foto: Reprodução)
Familiares deram outra versão. Eles contaram que Erivelton estava trabalhando como pedreiro, saiu para ir a uma venda e ao retornar encontrou a polícia no local. Ele foi baleado pelos policiais pelo menos três vezes. Socorrido, não resistiu.

Solteiro, Erivelton era o caçula de 9 irmãos. Uma das irmãs dele foi assassinada há cerca de um ano. A família diz que Erivelton não tinha envolvimento com tráfico de drogas ou outros crimes. No entanto, Erivelton já tinha sido preso no ano passado por porte ilegal de arma, durante uma operação da Coordenação de Operações Especiais (COE) da Polícia Civil. Na época, ele chegou a atirar contra os policiais, segundo informou a Secretaria da Segurança Pública (SSP).