Salvador

Em família: 'Le Cirque Amar' carrega tradição e tem apresentações com parentes

Arte circense ultrapassa gerações e até pai e filho trabalham juntos no 'Le Cirque Amar'

Especial de Conteúdo

A tradição do circo segue viva com o 'Le Cirque Amar', que está com lona armada na Avenida Paralela, próximo ao Colégio Villa. Esta é a primeira vez do circo francês em Salvador, com apresentações de terça até domingo.

Pai e filho trabalham juntos como palhaços no circo. (Imagem: Divulgação)

No picadeiro, os artistas são grandes parceiros, que mostram cumplicidade e alegria. Fora deles, no entanto, alguns são familiares. A família Stevanovich, que está na sua sexta geração, é quem comanda a organização do circo.

Bryan Stevanovich, que é produtor da marca na América Latina e um dos artistas da companhia, por exemplo, se apresenta ao lado dos irmãos Robert, Nickolas e Yamil e provocam delírios ao público com manobras em cima da moto de tirar o fôlego.

"O nosso circo é muito família. Aqui temos seis crianças, filhos dos artistas, de vários países, que estudam na cidade onde paramos. A prioridade é sempre os estudos, mas eles também aprendem coisas do circo, porque já nascem amando isso", contou Bryan.

E não é só eles. Os palhaços argentinos Matraca e Moroco, que fora do picadeiro se chamam Alberto Stevanovich e Celso Alberto Stevanovich Filho, são pai e filho. Juntos, os dois animam e interagem com o público em vários momentos da apresentação e garantem as gargalhadas de pessoas de várias idades.

Serviço
O quê: Le Cirque Amar

Quando: De terça à sexta: 20h30. Sábado e feriados: 15h30, 18h e 20h30. Domingo: 11h, 15h30, 18h e 20h30.
Local: Av. Paralela, próximo Colégio Villa
Ingressos: Variam de R$ 20 a R$150