Salvador

Embasa diz que crateras em bairros não foram causadas por redes de água e esgoto

Segundo empresa, danos na rede de drenagem de águas pluviais após as chuvas causaram o problema

Redação Correio24h (redacao@correio24horas.com.br)
- Atualizada em

As três crateras abertas nos bairros do Cidade Jardim, Marechal Rondon e Jardim Armação, após as fortes chuvas que atingiram a capital baiana na última semana, não foram causadas por problemas nas redes de abastecimento de água e esgotamento sanitário, de acordo com a Empresa Baiana de Águas e Saneamento (Embasa).

Em nota, a empresa informa que o buraco de grande dimensão que ainda se encontra aberto na rua Leonor Calmon, no Cidade Jardim, foi causado pelo impacto das fortes chuvas na rede de drenagem de águas pluviais, cuja responsabilidade de manutenção é da prefeitura de Salvador. O carreamento do solo no momento do incidente, que aconteceu na manhã de quinta-feira (9) provocou o quebramento das redes de água e esgoto do local, que ficaram sem apoio.


No mesmo dia, a Embasa desviou suas redes para garantir a continuidade dos serviços de abastecimento de água e de coleta de esgoto aos imóveis da rua e aguarda a recuperação do trecho pela prefeitura para recompor ou revisar o traçado das redes que a empresa opera no local.


Danos na rede de drenagem de águas pluviais também originaram o buraco aberto na rua Miguel Calmon, no bairro de Marechal Rondon, na quarta-feira (15). A Embasa deslocou técnicos ao local, que verificaram que as redes de água e esgotamento sanitário não foram afetadas.


No caso de um terceiro buraco aberto no bairro Jardim Armação, na terça-feira (14), a Embasa informa que o incidente foi causado em decorrência de erosão ocorrida durante as obras de edificação de um prédio no local. Com o deslocamento do solo, a rede distribuidora de água foi atingida e fechada, mas não há risco de desabastecimento.


Prefeitura

No dia da abertura da cratera no bairro de Cidade Jardim , o prefeito ACM Neto vistoriou o local junto a equipes da Defesa Civil e da Limpurb e salientou que não sabia se o problema havia sido ocasionado pela Embasa. "Isso a gente vai ver depois. Determinei que uma das empresas que prestam serviços à Prefeitura nessa região da cidade tome as providências para solucionar o problema e o tráfego possa ser normalizado", frisou Neto, acrescentando que o trabalho só poderia ter início após o o fim das chuvas.


Além de tubulações da Embasa e da própria Prefeitura, há também uma rede da Bahiagás na localidade. Entretanto, não houve vazamento de gás. 

Correio24horas