Salvador

Embasa volta a bombear resíduos para emissário submarino do Rio Vermelho

A falha na transmissão de energia causou a parada no sistema de bombeamento dos resíduos; linha foi restabelecida nesta sexta (25)

Redação Correio 24h

Após a restauração da linha de distribuição de energia que alimenta a estação de condicionamento da Embasa, no Lucaia, na tarde desta sexta-feira (25), a empresa conseguiu retomar o bombeamento de esgoto para o emissário submarino do Rio Vermelho. O processo de tratamento de resíduos ficou comprometido depois do acidente de ônibus na avenida Vasco da Gama, na noite da quarta (23), que deixou 23 feridos e provocou o apagão em seis bairros de Salvador. A falha na transmissão de energia causou a parada no sistema de bombeamento dos resíduos no Rio Vermelho, responsável pelo tratamento de mais de 60% do esgoto da capital.

Mancha no Rio Vermelho mostra esgoto jogado no mar sem tratamento (Foto: Arisson Marinho)

Desde o acidente, esgoto estava sendo arremessado no Rio Lucaia e chegando à praia do Rio Vermelho, na foz que fica ao lado da Colônia de Pescadores do Largo da Mariquita e do Mercado do Peixe.A estação de esgoto recebe energia de duas subestações de eletricidade diferentes da Coelba, segundo o superintendente de esgotamento da Embasa em Salvador e Região Metropolitana, Júlio Mota. Quando há problemas em uma dessas estações, a outra atende à demanda. O agravante é que a linha que transmite a energia dessas subestações é única e foi justamente ela que foi afetada com o acidente. “Fomos atingidos no nosso calcanhar de aquiles”, ilustrou Júlio.Uma equipe de técnicos e auxiliares da empresa AT Construções, a serviço da Coelba, iniciou às 7h da manhã de quinta-feira (24) o trabalho para substituir o poste para retomar a transmissão de energia no local. O equipamento só não caiu na pista porque ficou preso aos fios de outros postes."É muito complicado, pois o poste que quebrou fica no meio de uma linha onde não tem amarração. Nesse trecho tem cruzamentos e estamos trabalhando acima de uma linha que está ligada", explicou o encarregado de montagem elétrica Silvestre Souza Nascimento sobre a dificuldade de instalação.A estação de esgoto recebe energia de duas subestações de eletricidade diferentes da Coelba, segundo o superintendente de esgotamento da Embasa em Salvador e Região Metropolitana, Júlio Mota. Quando há problemas em uma dessas estações, a outra atende à demanda. O agravante é que a linha que transmite a energia dessas subestações é única e foi justamente ela que foi afetada com o acidente. “Fomos atingidos no nosso calcanhar de aquiles”, ilustrou Júlio.Desde que todas as vítimas foram resgatadas, uma equipe da Coelba trabalha para o restabelecimento da linha de transmissão de 69kV que abastece unicamente a estação da Embasa. Pela manhã, a equipe escavou um buraco ao lado do poste atingido pelo ônibus.

Correio24horas