Salvador

Faixa em homenagem ao LGBT seguirá resolução do Contran, garante idealizadora

Em entrevista, Larissa Moraes detalhou a iniciativa que será realizada pela primeira vez no Brasil

- Atualizada em

Bahia Prime

Redação Bahia Prime

Um "Arco-íris no chão", como foi batizada a ação. Isso que pedestres e motoristas, que passarem pelo Jardim de Alah, poderão ver depois do dia 22 de outubro. Uma faixa de pedestres do local ganhará um colorido em homenagem ao movimento LGBT, com o objetivo de conscientizar a população sobre a causa.


É o que afirma a idealizadora da ação e líder do projeto 'TireSuaBikedoArmário', Larissa Moraes, em entrevista ao Bahia Prime. "Queremos promover um pouco mais de respeito", explica o objetivo da iniciativa que receberá o apoio da Prefeitura de Salvador, da Superintendência de Trânsito de Salvador (Transalvador), da SECOM e da Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana. A pintura acontecerá na noite do dia 22.


A iniciativa é pioneira no Brasil e teve inspiração em Londres. "A inspiração veio quando morei em Londres e percebi que o Brasil pode evoluir muito mais", conta. Para Larissa, militante do movimento, a capital baiana tem grande potencial de se tornar um exemplo para outras cidades. "Acho que Salvador pode ser uma capital de referência para o público LGBT", projetou.


Questionada sobre um possível descumprimento do Manual Brasileiro de Trânsito aprovado pela resolução nº 236/07 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), que determina critérios para pintura das faixas de pedestres, Larissa garante que a iniciativa seguirá as normas. "As cores serão pintadas intercalando as faixas brancas", explica ao ressaltar que a ação só pode ser realizada após autorização obtida pela Transalvador.


No MBT, a faixa de pedestres compreende dois tipos, zebrada e paralela (ambas brancas),  conforme resolução nº 160/04 do Contran. Em contato com o Bahia Prime, o major Genésio Luide, assessor técnico do Detran-BA, ressaltou a determinação da cor branca para faixas com base no CTB, mas explicou a possibilidade da pintura do piso de outra cor. "Geralmente quando o piso não é o comum, a cor do asfalto, pinta-se o entorno da faixa para realçar", disse ao citar como exemplo as faixas de pedestres nas cores vermelha e branca.


A inicativa foi elogiada pelo presidente do Grupo Gay da Bahia (GGB), Marcelo Cerqueira, que ressaltou a importância do combate à homofobia. "Acho uma iniciativa louvável, pois convida os LGBT para fazer o uso dos espaços públicos. Quanto mais ações como essas, vai criando um ambiente favorável para democracia", disse ao Bahia Prime. Para o presidente é uma forma de promover a memória e identidade cultural do segmento. "É uma forma de educar. Valorizo e aplaudo a iniciativa".


A idealizadora acredita que a ação possa ser aderida nas comunidades. "Vamos tentar fomentar com líderes de bairros para levar para as comunidades. Tenho fé que as pessoas se interessem", projeta ao rebater as possíveis e futuras críticas. "Muita gente vai falar mal, mas tem muita gente a favor", disse Larissa.


Após a pintura, no dia 24 de outubro, ainda será realizada uma ação de conscientização com a distribuição de panfletos nas sinaleiras. “Além de ser um marco na nossa luta, vai incrementar o turismo na cidade, visto que se tornará uma referência nacional, já que Salvador será a pioneira a realizar este modelo de ação no Brasil”, explica Larissa. “A Bahia e Salvador ganharão também uma identidade que não promove preconceito, mas sim o respeito”, completa.


Homofobia

Segundo a organização, a região Nordeste registra o maior número de homicídios por causa homofóbica e a Bahia é a primeira no ranking da violência contra gays, lésbicas e transexuais. O Brasil é responsável por 44% dos crimes homo-transfóbicos no mundo e que a cada 28 horas uma vítima é assassinada, informou.