Salvador

Governo propõe negociar com professores das universidades estaduais

Estão com atividades paradas a Universidade do Estado da Bahia (Uneb), a Uefs, a Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb) e Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc)

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)
- Atualizada em

O Governo da Bahia promoverá mais uma reunião de negociação com representantes das associações de docentes das universidades estaduais, nesta quarta-feira (3), às 10h, na sede da Secretaria da Educação do Estado, no Centro Administrativo (CAB), em Salvador. Participarão os representantes das secretarias estaduais da Educação, da Administração (Saeb) e de Relações Institucionais (Serin).O Estado aguarda a resposta do movimento docente sobre a revogação da Lei nº 7176. “Esta é uma das reivindicações dos professores. O governo já apresentou a proposta, na reunião do dia 19 de maio, e os professores pediram tempo para avaliar. A proposta revoga a Lei 7176 e trata da elaboração de nova lei que amplia a autonomia das universidades”, afirmou o professor Paulo Pontes, coordenador de Desenvolvimento do Ensino Superior da Secretaria da Educação do Estado. Segundo ele, “com essa nova lei, a estrutura de cada universidade passa a ser definida pelo estatuto da própria universidade, que também organiza o ordenamento sobre o seu funcionamento”.Ainda de acordo com Paulo Pontes, o Governo do Estado também aguarda retorno dos docentes sobre a proposta de mudança do quadro de vagas do magistério, que assegura o fluxo e maior quantidade de promoções. “Serão disponibilizados recursos orçamentários para a concessão destas promoções, sem comprometer o orçamento de custeio e o investimento das universidades”. Ele disse ainda que outras reivindicações, que estão na pauta dos docentes, já foram atendidas. “O governo autorizou as promoções e progressões, que já foram requeridas à Secretaria da Administração, e autorizou a contratação de professores substitutos, com base no cronograma apresentado pelas universidades”.

Entenda a greve
Estão com atividades paradas a Universidade do Estado da Bahia (Uneb), a Uefs, a Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb) e Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc). No dia 8 de abril, os professores das quatro universidades fizeram paralisação por 24 horas e uma caminhada da Secretaria Estadual da Educação (SEC) até a Assembleia Legislativa da Bahia (ALBA), em Salvador.O coordenador do Fórum das Associações Docentes da Bahia, Elson Moura, afirmou que a principal reivindicação seria a questão orçamentária. "Queremos 7% receita líquida de impostos para as universidades. Estamos reivindicando também direitos trabalhistas e aumento do quadro de professores. O governo diz que não tem dinheiro e fala de crise, mas questionamos esse argumento. No Portal da Transparência, mostra que do Governo de Jaques Wagner para o atual, teve sobra de R$ 1 bilhão e 600 milhões. A universidade está precisando porque a situação é muito difícil", completou Moura.