Salvador

Homem mata ex-namorada na Pituba e é encontrado morto em casa

Mulher havia se mudado há cerca de uma semana, justamente para que o ex-namorado não soubesse onde ela estava

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)
- Atualizada em

Uma estilista de 39 anos, identificada como Tatiana Fonseca, morreu após ser baleada dentro do prédio que morava no bairro da Pituba, na manhã desta quinta-feira (10). De acordo com o G1 Bahia, ela foi atingida por diversos disparos dentro da garagem pelo ex-namorado no edifício Vila Pituba.

Segundo ainda o G1 BA, o homem foi identificado como João Miguel Pereira Martins, conhecido como DJ Frajola, de 40 anos, depois do crime ele foi encontrado morto no apartamento onde morava, no bairro do Caminho das Árvores.

Conforme amigos da estilista que foram ao prédio onde ela foi baleada, disseram que ela havia se mudado há cerca de uma semana, justamente para que o ex-namorado não soubesse onde ela estava. 

"Ela estava com muito medo dele porque ele já estava coagindo ela, ameaçando, de alguma forma tirando a privacidade dela e foi aí que ela resolveu se mudar. Foi quando ela percebeu algumas atitudes estranhas vindo dele aí ela decidiu terminar o namoro. Ele começou a postar fotos com ela em rede social, em perfil de WhatsApp e ela não gostou", contou uma amiga .

A amiga relata que mesmo com o término do namoro, João Miguel se comportava nas redes sociais como se o namoro ainda existisse. "Ele continuava fazendo isso [publicando fotos com Tatiana nas redes]. Aí ele foi excluir as redes sociais dele e começou a perseguir ela indo no prédio, coagindo ela coagindo os porteiros fazendo muitas perguntas dela. A gente ainda incentivou ela a ir na delegacia, incentivou ela denunciar, só que ela estava com muito medo. Ela não conseguiu e preferiu se mudar para ver se ele parava de procurar ela".

Um morador da região informou que viu o momento em que o homem atirou na vítima. "Ela gritou: 'não, não'. E ele continuou. Depois ela não se pronunciava mais. Vi com arma na mão carregando a arma na mão esquerda, de óculos, cabelo preto, de barba. Eu vi ele saindo da garagem pelo portão e saindo correndo. Ele estava sozinho, entrou em um carro preto. Na hora que ele deu o tiro, o porteiro saiu correndo gritando pega a placa, porque viu ele em direção a um carro".

A delegada Milena Calmon já ouviu funcionários do prédio e familiares da vítima. Inicialmente, apurou-se que eles se relacionaram por apenas 38 dias e ela decidiu romper, após descobrir que ele já havia sido preso outra vez por violência doméstica.