Salvador

Imagens mostram médica Sáttia Lorena no elevador horas antes da queda

Em depoimento à polícia, irmã da médica relatou que o suspeito controlava até mesmo as roupas da namorada

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)

Imagens da câmera de segurança do elevador, liberadas nesta terça (28), mostram a médica Sáttia Lorena Patrocínio Aleixo horas antes de cair do quinto andar do prédio localizado no bairro de Armação. O caso aconteceu no dia 20 de julho. As informações são do G1 Bahia.

No vídeo, é possível ver que ela gesticula muito enquanto conversa ao telefone, o que sugere que ela esteja discutindo com alguém. Logo em seguida, ela sai do elevador. O G1 entrou em contato com a polícia civil e a mesma informou que ainda não teve acesso às imagens.

No vídeo, é possível ver que a médica gesticula bastante ao telefone, como se estivesse em discussão. Em seguida, ela sai do elevador. Ela esta internado no Hospital Geral do Estado (HGE). Familiares relataram ao G1 que o estado dela é gravíssimo.

O namorado dela, o também médico Rodolfo Cordeiro Lucas, suspeito de ter provocado a queda da médica, foi preso em flagrante do ocorrido, mas teve a prisão revogada nesta segunda-feira (27).

Em depoimento a polícia, o médico negou que tenha jogado a companheira da janela do apartamento e afirmou que a Sáttia se dopava e estava depressiva, o que foi negado pela família dela. Ele relatou à polícia que a médica se pendurou na janela e ele ainda tentou salvá-la, segurando na mão dela, mas mesmo assim ela acabou caindo.

Os familiares de Sáttia acreditam que ela foi jogada do apartamento pelo médio e que Sáttia vivia um relacionamento abusivo. Uma vizinha do prédio em que a médica morava, antes de viver com Rodolfo, contou que a relação do casal era marcada pro brigas e que já ouviu Sáttia pedir socorro.

Depoimento da irmã
Em depoimento à polícia que o G1 teve acesso, a irmã de Sáttia Lorena contou que a médica já havia contado a ela as humilhações que vinha sofrendo do médico Rodolfo Cordeiro Lucas.

Jaqueline Aleixo contou que o médico controlava até as roupas da irmã e que ela precisou sair da academia e apagar as redes sociais por causa do ciúme que ele sentia.

O G1 tentou entrar em contato com a defesa do médico, mas até o momento não obteve resposta