Salvador

Manifestação: balanço inclui danos a 4 viaturas, mais de 40 pontos, 40 orelhões e lojas depredadas

Lojas saqueadas, ônibus incendiados, pontos de ônibus depredados e outros tantos prejuízos que ficaram na conta dos pequenos empresários e do próprio cidadão, que pagará o conserto através do dinheiro público

Rafael Rodrigues e Bruno Wendel (mais@correio24horas.com.br)
- Atualizada em

A maioria dos 20 mil manifestantes que decidiram tomar as ruas do Centro de Salvador na tarde de quinta-feira era de cidadãos querendo fazer história, mas a minoria que saiu com o espírito de baderna conseguiu fazer muito estrago. Lojas saqueadas, ônibus incendiados, pontos de ônibus depredados e outros tantos prejuízos que ficaram na conta dos pequenos empresários e do próprio cidadão, que pagará o conserto através do dinheiro público — veja abaixo o balanço das depredações.

Ponto de ônibus depredado no Campo Grande. Como este, mais de 40 foram danificados pelos vândalos

O governador Jaques Wagner (PT) refutou o argumento de que as depredações teriam sido uma resposta à violência empregada pela Polícia Militar nos confrontos que marcaram a manifestação. “Após o protesto, na Avenida Sete não havia mais policiais, e mesmo assim houve casos de vandalismo. Como aconteceu também no Rio Vermelho, onde não havia nada programado em relação ao evento. Na minha opinião, esse rio não corre para um lugar bom”, disse. O governador detalhou o que de patrimônio público estadual ficou quebrado com a ação dos vândalos, mas disse não ter contabilizado ainda o valor total do prejuízo.O prefeito ACM Neto (DEM) também preferiu evitar contabilizar os prejuízos. “A prefeitura vai tranquilamente, como já começamos a fazer, a limpar as ruas, vamos recuperar tudo que eventualmente tenha sido danificado ontem em Salvador. Praças, abrigos de ônibus, algumas placas oficiais. Não tenho estimativa de preço, mas não é nada que fuja da possibilidade da prefeitura de dar uma resposta imediata”, disse. O CORREIO, contudo, teve acesso ao relatório preparado por sua equipe de governo

Orelhões foram danificados no Largo do Rosário

Em entrevista, o prefeito afirmou que não pretende proteger praças e esculturas públicas hoje, quando se espera uma nova manifestação. “Não tem sentido. A praça pública é pública. Ela só tem razão de ser se toda pessoa puder dela desfrutar. Não tem sentido fazer vedação. O que a gente pede é que as pessoas cuidem da cidade. O espaço público pertence a todos, não ao governo, e sei que a grande maioria dos manifestantes tem essa compreensão”, disse. O prefeito avaliou o movimento social como “legítimo” e “nobre”, e ponderou que a minoria “não irá macular este processo”.LojasA Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Estado da Bahia (FCDL) contabiliza ao menos 30  lojas apedrejadas e quatro saqueadas na região da Avenida Sete e Carlos Gomes.  O total do prejuízo será detalhado na semana que vem. 

Trailer da Desal foi virado também no Rosário

O presidente da entidade, Antoine Tawil, lamentou o ocorrido. “Na Avenida Sete, a maioria são pequenos empresários, que vivem daquilo. Depenar a loja não é mais manifestação pacificar para reivindicação de direitos, isso já é ação de vândalos”, disse. Ele afirmou ter feito uma solicitação oficial ao comando da PM por reforço na segurança da região para o dia de hoje.

Matéria original Correio*

Manifestação: balanço inclui danos a 4 viaturas, mais de 40 pontos, 40 orelhões e lojas depredadas