Salvador

Morre policial militar que 'surtou' e disparou tiros para cima no Farol da Barra

De acordo com a nota da SSP, homem apresentava descontrole emocional

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)
- Atualizada em

O policial militar, identificado como Wesley Soares Góes, que apresentou um surto psicótico e disparou tiros para cima morreu no Hospital Geral do Estado na noite deste domingo (28). A informação foi confirmada pela Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA).

Ainda segundo a SSP, às 15h, uma equipe do Bope iniciou a negociação. O soldado alternava momentos de lucidez com acessos de raiva, acompanhados de disparos. Além dos tiros de fuzil, o soldado arremessou grades, isopores e bicicletas, no mar.


De acordo com a SSP, aproximadamente às 18h35, o soldado verbalizou que havia chegado o momento, fez uma contagem regressiva e iniciou os disparos contra as equipes do Bope.

Após pelo menos 10 tiros, o soldado foi neutralizado e socorrido para o Hospital Geral do Estado (HGE), onde acabou falecendo.


O PM era noivo e trabalhava na 72ª CIPM, localizada em Itacaré (BA), há pelo menos quatro anos. Ele foi baleado pelos policiais após 3h30 de negociações com equipes do Batalhão de Operações Policiais Especiais (BOPE), no início da noite.

Ele foi sorrido pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), chegou a ficar intubado no hospital, mas não resistiu.

Jornalistas relataram que, após o PM ter sido baleado, eles foram alvos de tiros de borrachas após os policiais tentarem manter os profissionais da imprensa afastados do local.

Em nota, o Sindicato dos Jornalistas do Estado da Bahia (Sinjorba) repudiou o fato e disse que  "condena veementemente o comportamento dos policiais envolvidos neste lamentável episódio". O sindicado disse ainda que "não havia qualquer necessidade de agir daquela maneira pois os jornalistas estavam trabalhando e não representavam qualquer ameaça aos PMs ou à operação".