Salvador

Mulheres homenageiam Marielle Franco durante marcha no Centro Histórico

Os atos políticos e missas de sétimo dia ocorreram por toda parte do país

Agência O Globo
- Atualizada em

Elas tinham roupas, trajetórias e atitudes parecidas. Compartilhavam o mesmo discurso de resistência. E, naquele momento, dividiam também a mesma dor: a perda de Marielle Franco, executada com quatro tiros na cabeça, no Rio de Janeiro. As mulheres que estavam no ato  ‘Marielle Vive Salvador’ marcharam pelas ruas do Centro Histórico de Salvador pedindo justiça.  A mobilização inter-religiosa  ocorreu ontem em mais 14 estados do Brasil.

Foto:Reprodução/Correio 24h

“Quando uma Marielle é assassinada, todas nós, mulheres negras, morremos também. Marielle nos defendia. Quem achou que nós íamos ficar caladas, se enganou”,  afirmou a  coordenadora da Marcha das Vadias Nacional e da América Latina, Sandra Muñoz. Durante o ato, uma missa  foi celebrada na  Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos.

A relações pública Renata Dias, 37 anos, estava acompanhada da amiga, a pedagoga Jandira Mawusi, 40 anos. Ela diz que foi até o ato porque se sentia representada pela vereadora. “A gente veio de lutas e de conquistas. Temos as mesmas problematizações enquanto mulheres e negras. Acho que é isso que faz com que Marielle  seja muitas. Nós,  que estamos aqui,  vemos nela a nossa história de vida”.


Mais manifestações

Os atos políticos e missas de sétimo dia ocorreram por toda  parte do país. No Rio de Janeiro, por exemplo, houve uma celebração religiosa na Pontifícia Universidade Católica (PUC-RJ). Já em São Paulo, os atos aconteceram em vários lugares. Um deles foi no Santuário São Francisco, no Largo São Francisco, na capital. Os estados da Paraíba, Minas Gerais, Brasília, Rio Grande do Sul, Pará, Pernambuco, Ceará, Alagoas, Sergipe, Espírito Santo e Amazonas,  também se manifestaram  pela morte da vereadora.

Anderson, o motorista que foi executado com Marielle, também foi  lembrado durante as manifestações. “Quinze estados estão fazendo esse ato para Marielle e para Anderson. A gente não pode esquecer dele”, pontuou Sandra.

A atriz americana Viola Davis fez também uma homenagem a Marielle e a Anderson. “Acabo de saber sobre esta mulher corajosa, #MarielleFranco, que lutou pelos direitos dos pobres nas favelas”, escreveu no Twitter a ganhadora do Oscar de melhor atriz coadjuvante por Um Limite Entre Nós (2016). “Eu apoio e luto com vocês, Brasil!!”, acrescentou.

Já o jornal Washington Post dedicou sua capa de ontem à ativista; segundo o jornal Marielle se torna agora um símbolo global na luta contra a violência e a discriminação racial.