Salvador

Oito acusados de participar de chacina na Boca do Rio são presos

Durante o final de semana a polícia conseguiu prender Nicão e Cacique. Já na manhã de hoje a polícia consegiu prender “Da Jega”, “Cowboy”, “Zóio”, “Léo”, “Nono” e "Alanzinho”

Redação CORREIO (redacao@correio24horas.com.br)
- Atualizada em

Oito homens acusados de participar da chacina que deixou quatro pessoas mortas e uma gravemente ferida na Boca do Rio, na manhã de sábado (15). Serão apresentados na tarde desta segunda-feira (17), às 16h no auditório da Secretaria de Segurança Pública (SSP) no Centro Administrativo da Bahia (CAB).


Durante o final de semana agentes da Delegacia de Repressão a Furtos e Roubos de Veículos (DRFRV), 9ª Delegacia Territorial e Polícia Militar conseguiram, em uma ação conjunta, prender Nicão e Cacique. Na manhã de hoje, durante outra operação no bairro, a polícia predeu “Da Jega”, “Cowboy”, “Zóio”, “Léo”, “Nono” e "Alanzinho”.

 

Segundo informações da SSP, Nicão é responsável pela morte de Gidean da Silva, de 34 anos, Ricardo da Silva, de 24 anos, e Márcio Greick da Silva Brito, 44. Já a Alanzinho é acusado de matar Bruno Ferreira Santos, 16 anos.

 

Participaram do cumprimento a mandados de prisão os departamentos de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) e de Narcóticos (Denarc), além da Delegacia de Tóxicos e Entorpecentes (DTE) e do Batalhão de Choque da Polícia Militar.

 

Chacina
As quatro pessoas foram mortas e uma quinta ficou gravemente ferida durante  dois ataques de grupos rivais no último sábado (15) na Boca do Rio. Segundo a polícia, a maioria dos envolvidos está ligada à duas gangues que disputam o controle dos pontos de venda de drogas das localidades de Cajueiro e Barreiro.

 

No primeiro ataque, ocorrido por volta das 7h na Rua Veríssimo de Freitas, no Cajueiro, três homens assassinaram o adolescente Bruno, conhecido como Zoião, que trabalhava para o traficante Nicão. Os autores estariam ligados ao grupo rival que controla o tráfico no Barreiro.

 

Mais tarde, Nicão e outros sete comparsas teriam assassinado outras três pessoas envolvidas com a gangue rival e ferido um jovem, que foi socorrido ao Hospital Geral do Estado (HGE). Os crimes são investigados pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).