Salvador

Paralisação de trens do Subúrbio prejudica usuários pelo segundo dia

Greve tem como objetivo pressionar governo para reajustar os salários

Da Redação, com Tailane Muniz (redacao@correio24horas.com.br)
- Atualizada em
As pessoas que precisam dos trens do Subúrbio ainda estão sem poder usar o meio de transporte nesta quinta-feira (6). O CORREIO esteve nas estações da Calçada, Periperi e Paripe na manhã desta quinta e encontrou alguns usuários que ainda não sabiam da paralisação, que começou nesta quarta-feira (5). Por dia, 18 mil pessoas usam os trens.
Para o chefe de segurança Benedito Ferreira, 50 anos, o modal é essencial para quem mora no Subúrbio. “É um transporte rápido, barato e para população do subúrbio, se faz essencial”, disse. Ele tem carro, mas deixa o veículo no estacionamento da estação quando precisa ir na Calçada. 
“Muitas vezes para no terminal de Paripe vai na calçada de trem, a gasolina tá cara, é normal que a estação de Paripe ficar lotada de carros. O trem significa para mim tranquilidade e economia”, afirmou.
Já a dona de casa Maria Silva, 52 anos, usa os trens duas vezes por semana para ir ao trabalho, na Calçada. Ficar sem o serviço é um prejuízo. “Dificulta muito com a nossa vida, muita gente não tem condições de pegar o ônibus, o trem facilita muito porque custa R$ 0,50. O ônibus é quase cinco vezes o valor”, reclamou.
O aposentado Francisco Querino, 63 anos, usa os trens ocasionalmente, por causa das vantagens que o modal oferece. “Muitas pessoas têm como ir de ônibus, mas preferem o trem por causa do trânsito e tempo para chegar no trabalho”, completou.
A paralisação tem com o objetivo de pressionar o governo a reajustar os salários. Em nota, o Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Transportes Ferroviário e Metroviário dos Estados da Bahia e Sergipe (Sindiferro) informou que a decisão foi tomada em Assembleia Geral realizada no dia 27 de setembro. Ainda segundo o sindicato, essa é terceira paralisação em menos de dois meses.
A Companhia de Transportes da Bahia (CTB), responsável pela administração do serviço, informou em nota que o governo do estado reajustou o salário dos trabalhadores três vezes nos últimos anos.
"A CTB esclarece que, desde que o Estado assumiu a gestão do sistema de trens do Subúrbio, em maio de 2013, os salários dos funcionários foram reajustados três vezes, chegando aos 22,42% de aumento acumulado ao longo destes três anos", afirmou.