Salvador

Parque da Cidade terá praça de meditação e acessibilidade; veja como vai ficar

Espaço reformado fica pronto até junho de 2015. Anfiteatro, área para skate e slackline e fim dos muros são novidades

Clarissa Pacheco (clarissa.pacheco@redebahia.com.br)
- Atualizada em

O muro de concreto que separa o Parque da Cidade da comunidade do Alto da Santa Cruz, vizinha do Nordeste de Amaralina, vai cair por terra. Até o final do primeiro semestre de 2015, quando a Secretaria municipal da Cidade Sustentável (Secis) promete entregar o espaço revitalizado à população, a barreira que distancia os bairros da área de lazer dará lugar a um gradil, igual ao que será instalado na entrada principal, voltada para o Itaigara. “O gradil vai circundar o parque. Vamos derrubar esse muro e vamos integrar a comunidade com o local”, explica o secretário da Cidade Sustentável, André Fraga. Segundo o diretor de Áreas Verdes, Parques e Jardins da Secis, Uelber Reis, é o começo de uma campanha chamada Viva o Parque, que pretende levar de volta a população ao lugar e cujo pontapé inicial foi dado ontem, com a abertura dos envelopes das seis interessadas em fazer as obras de revitalização.




Anfiteatro Dorival Caymmi, que será reformado, fica fechado a partir de 21 de setembro
(Foto: Amana Dultra)


Uma empresa foi escolhida para tocar o projeto, por oferecer o melhor preço, mas a segunda e terceira colocadas na concorrência já ofereceram recurso à decisão. Assim, até a próxima sexta-feira, uma comissão vai analisar as argumentações das outras empresas, para, finalmente, ser definida a companhia que irá executar o projeto em parceria com a Sucop. Após o anúncio oficial, a ordem de serviço para o início das obras deve sair em mais 20 dias. PROJETO O projeto de revitalização do Parque da Cidade Joventino Silva, que é o nome original do espaço, já foi apresentado para algumas lideranças da região, mas, para Uelber, é preciso integrá-lo completamente às comunidades do Alto da Santa Cruz e Alto do Itaigara, onde o parque está inserido.




Arquibancada que recebe hoje 1,5 mil pessoas, confortavelmente, irá dobrar de tamanho
(Foto: Divulgação)


A revitalização do espaço, que tem 70 hectares de reserva de Mata Atlântica e restinga, como piaçava, pau-pombo, pau-paraíba e biriba – 700 mil m² de área – custará R$ 11 milhões, em recursos da prefeitura (R$ 6 milhões) e da Petrobras (R$ 5 milhões).   O valor da obra licitada, no entanto, é de R$ 8,2 milhões. Será o custo para executar o projeto, de autoria do arquiteto Carlos Capelo, que levou um ano para ser formatado. O que falta para os R$ 11 milhões se refere a uma obra preliminar, feita com recursos próprios da prefeitura.

Há cerca de um mês, começou a ser feita a conclusão da macrodrenagem do canal do Parque da Cidade pela Sucop. Segundo Fraga, já existia uma obra de drenagem, que foi abandonada pela metade, o que fazia com que parte do canal ficasse descoberto. Procurada para falar sobre a parceria com a prefeitura, a estatal não respondeu à reportagem até o fechamento da edição.




Praça com imagem do filósofo Confúcio, presente de governo chinês, como é atualmente
(Foto: Amana Dultra)


Novidades A abertura de uma entrada para o Alto da Santa Cruz é apenas uma das mudanças propostas pela pasta. “A gente encontrou aqui um parque que estava há muitos anos sem cuidados. A última reforma foi no governo de Antônio Imbassahy. Não tinha segurança, apesar do efetivo da Coppa (Companhia de Polícia de Proteção Ambiental), que é pequeno”, aponta Uelber. Segundo o diretor, por conta do descuido, o parque perdeu eventos e visitantes. “Muitas empresas deixaram de fazer suas ações e até a comunidade deixou de vir. Hoje, temos um grupo de 20 a 25 pessoas que vêm todos dia fazer caminhada. Mas, mesmo com poucos visitantes, abrimos todos os dias”, conta. Entre as medidas para tentar levar a comunidade de volta ao parque estão a ampliação das arquibancadas do Anfiteatro Dorival Caymmi e a instalação de um controle de acesso. Hoje, as arquibancadas do anfiteatro comportam, confortavelmente, 1,5 mil pessoas, sem contar com a área verde, que eleva a capacidade para 3,6 mil.




Local passará a ser usado como espaço de meditação e contará com jardins e bancos
(Foto: Divulgação)


As novas arquibancadas darão o dobro da capacidade e serão erguidas sem precisar derrubar árvores, segundo Fraga. Até que as obras sejam concluídas, no primeiro semestre do ano que vem, o espaço para shows ficará desativado. O último evento agendado é um show em 21 de setembro. Depois de pronto, o anfiteatro terá um portão de entrada, que servirá de controle de acesso. Também será construído um espaço para concertos ao ar livre. Ambulantes   Os ambulantes que trabalham lá em dias de shows precisarão ser ordenados. São 51 ambulantes flutuantes somente em dias de evento. “Eles ficarão lá, mas não do jeito que está hoje. Tem muito ambulante em dia de show e chega a ser até perigoso, porque eles fecham os acessos de emergência”, comenta Fraga. Também haverá quiosques, mas ainda não foi definida a quantidade. Hoje, funcionam dois quiosques fixos, sendo um deles o bicicletário. Mas o espaço possui 31 ambulantes cadastrados e outros 13 que atuam com frequência, mesmo sem registro. A passagem de parte deles para os quiosques será feita via licitação. Apesar da quantidade de ambulantes, eles não são funcionários do Parque da Cidade. Hoje, a equipe do lugar é de 12 funcionários, número insuficiente para a manutenção do espaço após a reforma. Uelber Reis afirmou que, após a revitalização, precisará fazer novas contratações ou parcerias com a iniciativa privada. Lazer   Ao longo do Parque da Cidade será instalada uma ciclovia de 3 km de extensão, margeada por uma pista de corrida e caminhada com piso tátil. Do lado esquerdo do Parque, próximo ao prédio da Petrobras, em um espaço hoje pouco utilizado, será construído um parque de slackline, demanda da comunidade e dos praticantes do esporte, e uma praça de skate.




Próximo à sede da Petrobras haverá um parque de slackline. Pista de skate moderna também está  prevista
(Foto: Divulgação)


“O Skate Park foi inspirado em projetos da Califórnia e poderá ganhar características das principais pistas de skate do país”, explica Fraga. Ele disse ainda que o projeto, assinado pelo engenheiro civil Ernesto Belote, foi feito em parceria com a Confederação Brasileira de Skate e com a Federação Baiana de Skate, para evitar fugir às necessidades dos praticantes. A pista começa com uma descida, para quem pratica o estilo long, passa por uma praça com obstáculos, para os adeptos do street, e termina nas ‘piscinas’, com rampas mais rasas, para iniciantes, e mais fundas, para os mais experientes. Toda a pista será sombreada, uma vez que as árvores das imediações não serão retiradas. Os dois projetos foram apresentados aos praticantes das duas modalidades, no sábado passado, no auditório do Instituto Parque Social.

Local terá praça de meditação ao redor de Confúcio Quem frequenta o Parque da Cidade, provavelmente já se deparou, em algum momento, com uma estátua do pensador e filósofo chinês Confúcio, nas imediações da praça onde ficam os quiosques. O que pouca gente talvez saiba é que a estátua foi um presente e está lá por conta de uma “irmandade” entre o estado da Bahia e a província de Shandong, na China, onde nasceu o pensador. Conversamos com o Consulado da China e decidimos tirar Confúcio ‘do nada’ e colocarmos em uma praça para ele, que será uma praça de meditação”, filosofa o secretário da Cidade Sustentável, André Fraga. A praça em homenagem ao fundador do Confucionismo ficará nas imediações da entrada pelo bairro do Itaigara e terá jardins e banquinhos. O filósofo foi o mais importante pensador político da China e viveu entre 552 e 479 a.C. Ele influenciou a ética empresarial japonesa, mas não deixou escritos. Seus ensinamentos, no entanto, foram repassados por seus discípulos. Confúcio pregava a importância da educação para o desenvolvimento da sociedade, apostava na construção do caráter e na formação de grandes líderes.


Matéria original do Correio

Parque da Cidade terá praça de meditação e acessibilidade; veja como vai ficar