Salvador

PM vai em busca de bandido que impôs toque de recolher em Pernambués

Depois de uma segunda-feira em que o comércio fechou e as ruas ficaram vazias em Pernambués, a polícia entrou no bairro à procura de Babalú, traficante que impôs toque de recolher

Jorge Gauthier (jorge.souza@redebahia.com.br)
- Atualizada em

O aposentado de 67 anos acordou ontem às 6h30 com o som das viaturas na rua 1º de Maio, em Pernambués. Almoçou com o barulho do helicóptero da Polícia Militar sobre sua casa e passeou com o cachorro no final da tarde desviando dos policiais que tomaram o bairro na tentativa de capturar Babalu, homem apontado como chefe do tráfico de drogas na região.


“Fico com medo, mas tenho que viver. O tráfico manda aqui e sempre mandou. Só saí de casa por causa do cachorro, mas tenho que voltar rápido. Tenho muito medo”, disse o aposentado, que passou a maior parte do dia em casa e pediu anonimato.


Ontem, 125 policiais militares realizaram uma operação de caçada a Babalu e seus comparsas em Pernambués. A operação foi deflagrada após a denúncia de moradores de que o traficante ordenou toque de recolher na região depois da morte de Davi Conceição Lima, 25 anos, no domingo.


O relato de quem vive em Pernambués é que Davi seria de uma facção rival a de Babalu e que este ordenou o toque de recolher para mostrar sua força na comunidade.


Até a noite de ontem, Babalu não havia sido encontrado, mas a polícia apreendeu 135 quilos de maconha que pertenceriam ao bando dele. 


Medo Desde domingo, moradores do bairro estão com o  deslocamento restrito. Ontem, as escolas da região não tiveram aulas pelo segundo dia consecutivo. “Não apareceu aluno nenhum aqui. Tá todo mundo em casa sem poder sair”, conta a funcionária de uma escola infantil.


A maioria dos comerciantes do bairro manteve as portas fechadas. Quem resolveu abrir, alegou “questão de sobrevivência financeira”. “Quem vai dizer alguma coisa? Ninguém quer se envolver. A gente abre porque não tem jeito”, disse um comerciante.


Na Rua da Legalidade, onde Davi foi morto no domingo, 13 estabelecimentos comerciais estavam fechados e cinco abertos ontem, por volta das 15h. Já na Rua da Harmonia, só três lojas estavam abertas no período da tarde.

Os moradores estavam assustados, apesar de muitos indicarem uma convivência rotineira com a violência. “Já estamos acostumados com gente andando de arma aqui. A diferença agora é que as armas estão na mão da polícia”, observou uma moradora.


Contrariando a declaração de moradores e comerciantes de que homens do tráfico teriam ordenado o toque de recolher, o comandante da Rondesp Central, Aristenes Borges, negou que houvesse ordem de traficantes.


“Não existe toque de recolher. As pessoas é que por medo dos bandidos deixam a família preservada dentro de casa. Alguns comerciantes, por medo, acabam fechando o comércio, mas não existe toque de recolher”, afirmou.

Em nota, a Polícia Militar afirma que a operação de ontem foi feita “visando aumentar a segurança” nas localidades Jardim Brasília, Saramandaia, Baixa do Manu, final de linha de Pernambués e avenida Luis Eduardo Magalhães.

Ao longo da operação policial, três homens foram encaminhados à delegacia e detidos por porte de drogas



Operação
Os policiais, que estavam fortemente armados, realizaram a busca por Babalu em muitas vias e imóveis da região. O subcomandante do grupamento Gêmeos, Cristiano Paraíso,  explicou que os policiais estavam preparados para o confronto, apesar de nenhum tiro ter sido disparado até o início da noite.


“Temos informações de que o grupo de Babalu está bem armado. Pode ser que, por conta da população, eles tenham uma rendição tranquila no momento de uma prisão, mas também pode haver um confronto. Eles estão dispostos a qualquer coisa”, afirmou o capitão Paraíso.


De acordo com o major Jailson Damasceno, que comandou a operação, a inteligência da PM mapeou a região na intensão de capturar os traficantes da área.


“Sabemos que há aqui atuação de Babalu e de outros traficantes, por esse motivo estamos intensificando o policiamento. Sabemos que tem duas facções brigando e estamos aqui para evitar isso”, concluiu.


Babalu disputa pontos de venda de droga com traficante Nem
Apontado pela polícia como o responsável por diversos homicídios na região de Pernambués, Babalu vem sendo caçado há muito tempo. Policiais que participaram da operação de ontem afirmam que ele atua na área da Baixa do Manu e disputa os pontos de venda de droga com um traficante identificado como Nem. “Os dois tinham um acordo de não ter confronto, mas depois da morte desse Davi (domingo) acabaram com a trégua”, contou um PM.


De acordo com as informações dos policiais, Babalu tem cerca de 30 anos e nunca foi preso. Segundo as investigações, o traficante é um hábil atirador e exerce um influente poder paralelo na comunidade, realizando inclusive “ações sociais”. “Babalu é ‘brother’. Ele me deu um óculos  e remédio”, contou uma mulher. As investigações apontam ainda que o traficante obriga as pessoas a guardarem drogas em casa. “Ele chega a obrigar pessoas a abandonarem suas casas para servir de depósito de entorpecente”, concluiu o PM, afirmando que este era o caso dos 135 quilos de maconha encontrados na rua 15 de Novembro.


Polícia pede ajuda de moradores para localizar bando de suspeito
A Polícia Militar pede que a população denuncie a localização do traficante Babalu e dos seus comparsas. “As pessoas escondem os bandidos por medo. Eles são ameaçados e acabam ficando com medo de denunciar, mas pedimos a colaboração da população para fazer as denúncias, que são anônimas”, disse o comandante da Rondesp Central, Aristenes Borges.


As denúncias podem ser feitas anonimamente pelo telefone 3235-0000. O comandante lembra que a ajuda dos moradores é fundamental para o êxito da polícia, devido, principalmente, as dificuldades impostas pelo terreno. “Apesar de termos muitos policiais que conhecem a área, sabemos que eles (os bandidos) conhecem melhor ainda. Por isso é que nós pedimos que as pessoas denunciem a localização dos criminosos”, ponderou Borges.


Nesta terça, muitos moradores da Baixa da Horta, do Manu e do Régis reclamaram que os ônibus não estavam circulando na parte baixa do bairro. Por conta da operação, os ônibus paravam no final de linha do bairro. A PM, através do Departamento de Comunicação, informou que, por questões estratégicas, não confirmaria se a operação continua hoje.

Policiais encontraram 135 quilos de maconha escondidos dentro de uma casa na rua 15 de Novembro


Matéria original do Correio

PM vai em busca de bandido que impôs toque de recolher em Pernambués