Salvador

Polícia investiga caso de policial militar que atirou contra ex-amante

Vítima contou que terminou a relação com o PM e que ele provavelmente estaria inconformado com o fim do caso

Redação CORREIO* (redacao@correio24horas.com.br)

A Polícia Militar da Bahia instaurou uma sindicância para apurar o envolvimento do soldado PM Antônio José de Araújo Lima em uma briga na noite de domingo (31). Ele é acusado de ter baleado a ex-amante, Iaracy Pastor dos Santos, 22 anos, por volta de 21h na Rua da Chiada, no bairro de São Caetano, em Salvador.


O policial militar ainda teria tentado atirar em Nisenaldo Conceição Andrade, que é amigo dele de infância, e em uma amiga de Iaracy, que foi ameaçada por prestar socorro à vítima. Atingida no joelho, Iaracy permanece internada no Hospital Geral do Estado (HGE), onde passou por uma cirurgia para retirar a bala.


Em nota, a PM informa que o policial se apresentou na manhã de hoje (1º), na sede da 45ª Companhia Independente de Polícia Militar (CIPM/Curaçá), onde é lotado, para esclarecer o ocorrido. Ele será apresentado à Corregedoria da PM, em Salvador, para registro do fato e, posteriormente, será encaminhado à 4ª Delegacia Territorial (DT/São Caetano).


Segundo a delegada plantonista da 4ª DT, Ana Francisca Matos, a briga ocorreu quando Iaracy e Nisenaldo estavam indo para uma festa. "O PM e a esposa estavam indo para casa em um carro quando viram Iaracy e Nisenaldo. Eles estavam indo para uma festa em uma casa que fica próxima a residência do policial. Quando o PM estacionou o veículo em casa, a esposa, Rosângela, voltou para bater em Iaracy, que já tinha saído do carro em que estava indo em direção à festa. Ela acabou sendo agredida e revidou", disse a delegada.


"Quando o PM viu a briga, efetuou cinco disparos mirando contra a ex-amante. Dois disparos atingiram o carro Corsa, em que o Nisenaldo - quem o PM 'considera' um primo - estava. Por sorte, o rapaz conseguiu fugir e não foi baleado. Já a ex-amante foi atingida no joelho", completou.


Motivação

Ao ser socorrida por policiais, a vítima contou que terminou a relação com o PM e que ele provavelmente estaria inconformado com o fim do caso. "Ele poderia separar as duas ao invés de atirar. Acredito que ele estava com ciúmes ou queria se mostrar para a esposa. Ele ainda perseguiu o amigo de infância e efetuou mais disparos", contou a plantonista.


*Com informações da repórter Midiã Noelle, do CORREIO*