Salvador

Polícia ouve porteiro para saber se menino que caiu de prédio já havia sido deixado sozinho

A intenção é saber se há coincidência nos relatos dos dois porteiros que trabalham à noite. Guilherme, 5 anos, caiu do 6º e morreu

Bruno Wendel (Bruno.wendel@redebahia.com.br)

A Polícia Civil vai ouvir nesta quinta-feira (26) o segundo porteiro que trabalha no edifício Morena Rosa, em Brotas. Na madrugada do dia 24, Guilherme Oliveira Yokoshiro, 5 anos, caiu do 6º andar e morreu. O menino estava sozinho enquanto o pai, o engenheiro Rafael Yokoshiro, 30, tinha saído de casa – a mãe, a enfermeira Carla Verena Oliveira, 33, estava trabalhando. 




Rafael e o filho Guilherme
(Foto: Reprodução)



A intenção da delegada Maria Dail Sá Barreto, titular da 6ª Delegacia (Galés), é saber se Rafael tinha deixado a criança sozinha outras vezes. No dia do episódio, Rafael passou quase duas horas fora de casa. Ele saiu às 1h42 e retornou às 3h40. Durante o enterro de Guilherme, um tio disse que o engenheiro saiu de casa para uma emergência médica.


Segundo a delegada, dois porteiros trabalham à noite no edifício. “O porteiro do dia do fato disse que tinha a impressão de ter visto Rafael sair do prédio naquele horário outras vezes. Por isso que vamos ouvir o segundo porteiro para saber se os relatos batem”, disse a delegada Maria Dail. A delegada já pediu a escala de plantão da mãe de Guilherme e as imagens das últimas 72 horas do prédio. “A intenção é apenas cruzar as informações”, declarou. 



Menino caiu de sexto andar de prédio
(Foto: Amanda Palma/CORREIO)


Ontem, Rafael foi à 6ª DP, mas não prestou depoimento. “Ele estava acompanhado de uma prima advogada e só chorava e tremia todo. Não teve condições de falar nada e por isso o depoimento dele foi adiado”, disse a delegada. Ele será ouvido na próxima segunda-feira (30). 


Maria Dail disse que a mãe de Guilherme contou que o pai era muito apegado ao filho e que não entende por que Rafael não levou Guilherme com ele. “Ela disse que o pai levava o filho para todos os lugares para não deixá-lo só. O filho ia com ele para a academia e o curso de inglês e por isso mãe não entende porque ele não levou junto o filho ao médico”, contou a delegada.

Correio24horas