Salvador

Restrições em bairros são adiadas para a próxima segunda (11)

Governador deixou claro que não é correto utilizar o termo "lockdown", pois as pessoas não estarão limitadas a ficar recolhidas em casa

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)
- Atualizada em

 Na última quinta-feira (7), o governador Rui Costa e o prefeito ACM Neto anunciaram, durante uma coletiva de imprensa, as medidas para conter o avanço do novo coronavírus e as restrições de circulação em Salvador, que atingem os bairros da Boca do Rio, Plataforma e a Avenida Joana Angélica. As medidas começariam a valer no sábado (9), com prazo inicial de sete dias. No entanto, a chuva que atinge a capital fez com que as investidas fossem adiadas para a próxima segunda (11). 

De acordo com o prefeito ACM Neto, as medidas não podem ser chamadas de lockdown, visto que a ação, mais extrema, envolve isolamento total e compulsório. As pessoas não estarão limitadas a ficarem recolhidas em casa. 

As medidas de contenção do novo coronavírus podem acontecer com ou sem alteração na mobilidade. A estratégia da prefeitura envolve a regionalização das ações buscando o apoio e proteção aos moradores e a restrição de atividades.

Na coletiva, ACM Neto deixou claro que o transporte público permanecerá inalterado. A interdição viária, porém, nessas regiões (Boca do Rio, Plataforma e a Avenida Joana Angélica), acontecerá das 7h às 19h, que é o horário de pico. Vale salientar que os moradores, mediante a apresentação do comprovante de residência, poderão acessar a qualquer hora do dia. 

Nas três localidades citadas anteriormente, todas as atividades comerciais, formais e informais, assim como serviços não essenciais, estarão proibidas - exceto supermercados, farmácias, bancos e lotéricas.

Além disso, ACM Neto anunciou uma agenda de proteção às pessoas que inclui: distribuição em massa de máscaras (em avenidas principais e ruas secundárias); aplicação de testes rápidos em locais fixos; medição de temperatura em massa; distribuição de cestas básicas para ambulantes e feirantes (além do benefício da prefeitura); CRAS itinerante (conjunto de serviços sociais com profissionais qualificados orientando a população); apoio a instituições de idosos, crianças e deficientes (disponibilização de cestas básicas, materiais de higiene, testagem rápida e auxílio de profissionais de saúde e social); ação de higienização nas ruas com mais casos de Covid-19; e ação de enfrentamento ao Aedes Aegypti. 

A possibilidade de um Lockdown total não foi descartada. “O lockdown total foi tratado como uma hipótese durante reunião entre a prefeitura e o governo do estado na segunda-feira (4). No entanto, o diálogo vem acontecendo diariamente e, se for preciso, vamos adotar as medidas necessárias. Vamos observar o comportamento das pessoas durante o isolamento que faremos de algumas áreas da cidade, a partir de sábado, e então analisar se haverá a necessidade de estender a ação para toda a cidade”, explicou o prefeito.