Salvador

Rompimento de adutora bloqueia trânsito no acesso da Vasco aos Barris

Veículos que estejam na Av. Vasco da Gama sentido Barris devem seguir sentido Bonocô

Redação Correio 24h
- Atualizada em

Um vazamento de água oriundo de uma adutora da Empresa Baiana de Águas e Saneamento (Embasa) provoca congestionamento na manhã desta quinta-feira (12) na região do Dique do Tororó, em Salvador. Em função do alagamento, a Transalvador informa que foi necessário realizar  bloqueio no acesso da Av. Vasco da Gama à Rótula dos Barris, sob o Viaduto Rômulo Almeida.

Veículos que estejam na Av. Vasco da Gama sentido Barris devem seguir sentido Bonocô,

Foto: Tailane Muniz/Correio 24h
margeando o Dique do Tororó, e retornar nas proximidades do restaurante A Porteira. 

Conforme técnicos da Embasa presentes no local, o rompimento ocorreu por volta de 6h30. "Uma equipe está a caminho e o procedimento é fazer o estudo da área para tentar dimensionar a profundidade. Vamos precisar cavar para resolver o problema", afirmou um dos técnicos.

A Avenida deve continuar interditada, segundo a Transalvador, até que o problema seja totalmente resolvido. Ao CORREIO, técnicos da Embasa disseram que rompimentos de adutoras são acidentes que "não podem ser evitados". 

Mesmo com a enorme poça d'água, muitos se arriscam passando no local. É o caso do pintor José Amenábio dos Santos, 50 anos, que mora e trabalha na região. Todos os dias ele passa pelo local de bicicleta e hoje não foi diferente. "Infelizmente a gente tem que passar assim mesmo. Eu acho que daqui a pouco vai faltar é água. Pobre vive assim mesmo", disse, após atravessar a poça.

A caminho do trabalho, as amigas Estécia Silva, 70,  e Paula Silva, 48, ambas diaristas, precisaram parar para calçar os pés. "O jeito foi meter o pé. Mas sem o sapato, pré a não dar chulé", disse Paula. "Um absurdo a gente passar por isso. Quero só ver quem vai pagar essa conta", completou a amiga.

O transtorno foi o mesmo para o estudante Jadson Santos, 14. O garoto também optou por tirar os sapatos e encarar a água. "Tá tudo bem, mas, poxa, eu vou acabar me atrasando agora", lamentou o estudante, a caminho da escola.

Os representantes da Embasa presentes no local não souberam informar o tempo que o serviço pode levar até ser concluído.

A Embasa foi procurada, mas ainda não se posicionou sobre o assunto.