Salvador

Sem proposta patronal, rodoviários discutem possibilidade de greve em assembleia

Prefeito ACM Neto disse que os empresários de ônibus querem a greve para "forçar" o reajuste da tarifa de ônibus

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)
- Atualizada em

A segunda reunião de conciliação  entre os rodoviários e patrões, com mediação da Superintendência Regional do Trabalho (SRT) terminou sem acordo  nesta terça-feira (22). De acordo com Gerta Schultz Fahel, superintendente regional do Trabalho e Emprego da Bahia(SRT), a mediação, que também contou participação do Ministério Público (MP), foi encerrada pois não foi apresentada proposta do sindicato patronal. 

O presidente do Sindicato dos Rodoviários, Hélio Ferreira, afirmou que está mantida a assembleia com as rodoviários prevista para ser a realizada a partir das 15h desta terça-feira (22).  Questionado se vai haver greve na quarta-feira (23),  Ferreira ponderou e falou sobre a chance dos ônibus circularem sem cobrar passagem. "Provavelmente, sim, temos uma assembleia com a categoria às 15h. Sem proposta, é provável que a gente mantenha a greve por tempo indeterminado e devemos colocar os ônibus para rodar sem cobrador".Ainda sem se posicionar oficialmente, o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Salvador conseguiu uma liminar, de acordo com TV Bahia, para que 30% dos ônibus circulem em Salvador  das 5h às 8h e das 17h às 20h da quarta-feira (23). 

Em entrevista à TV Bahia, o prefeito ACM Neto disse que os empresários de ônibus querem a greve para "forçar" o reajuste da tarifa de ônibus. "Pode parecer incrível, mas eu havia dito aos trabalhadores que parece haver um desejo dos empresários o pela greve, para pressionar para ter reajuste da tarifa. Falei que não iríamos cortar as linhas de ônibus em Salvador. A minha esperança é que a prefeitura vai manter o diálogo.Caso aconteça a greve, vamos optar por um plano de contingência para a cidade não sofrer, afirmou.