Salvador

Taxistas fazem manifestação em Salvador contra o Uber e criticam motoristas do aplicativo

"Se a prefeitura não der jeito, nós vamos dar. A gente sabe onde eles andam e nós vamos jogar duro nesse aplicativo da vergonha", diz presidente do sindicato

Redação Correioi 24h
- Atualizada em

Dezenas de taxistas saíram no meio da manhã desta quarta-feira (13) da Rótula do Abacaxi com destino a sede da Prefeitura Municipal, no Centro da cidade, em manifestação contra o aplicativo de transporte privado Uber, que começou a funcionar em Salvador na quinta-feira passada (7).Eles seguem com o pisca alerta ligado pela Avenida Bonocô e ocupam duas faixas do lado direito da pista. Uma moto com dois agentes da Transalvador acompanha o protesto. Eles seguirão pelo Dique do Tororó, Barris e Avenida Sete e Praça da Sé. 




Taxistas saíram da Rótula do Abacaxi e seguem para a Praça Municipal, em manifestação contra o app Uber
(Foto: Alexandro Mota)


Os taxistas informam que ação é em apoio à prefeitura no combate ao Uber. "Salvador não merece esse aplicativo que vem reforçar a clandestinidade na cidade", disse o presidente da Associação Metropolitana de Taxistas, Valdeilson Miguel, no carro de som. Alguns táxis estão com adesivo com a seguinte frase: "Uber não é táxi". O presidente do sindicato disse que a categoria não vai aceitar que a população seja enganada por um aplicativo que não tem nem endereço na cidade, que o dinheiro vai todo para o Sul do país. "A prefeitura está nos dando apoio, mas se a prefeitura não der jeito, a gente vai dar. A gente sabe onde eles andam e nós vamos jogar duro nesse aplicativo da vergonha, da clandestinidade", ressaltou o presidente da associação.  Segundo Valdeilson Miguel, a carreata tem como objetivo alertar a população sobre os riscos que os passageiros correm ao usar o transporte irregular, além da concorrência desleal que o aplicativo oferece aos taxistas. “Além de não passar por nenhuma vistoria, os veículos que operam o Uber não têm regulamentação e não são cadastrados, não tem como saber quem está transportando vidas, diferente dos 7200 taxistas registrados na Prefeitura, que pagam por essas vistorias ”.

Correio24horas