Salvador

Vigilantes de museus e espaços culturais de Salvador estão paralisados

De acordo com o presidente do Sindvigilantes, José Boaventura, cerca de 90 funcionários estão sem receber o salários e a primeira parcela do 13º

Redação Correio 24h
- Atualizada em

Cerca de 90 vigilantes de Salvador, que trabalham em equipamentos culturais do Estado, estão paralisados desde terça-feira (10). De acordo com o presidente do Sindicato dos Vigilantes do Estado da Bahia (Sindvigilantes), José Boaventura, os vigilantes paralisados não receberam o salário do mês de novembro nem a primeira parcela do décimo terceiro, que deveria ter sido pago no dia 30 de novembro.Confira a terceira edição da revista 'Conectado'

Os vigilantes são contratados por uma empresa terceirizada, a MS Segurança, que, de acordo com Boaventura, já recebeu o dinheiro do Governo de Estado e que vai efetuar o depósito dos trabalhadores até segunda-feira (16).


"Os trabalhadores só voltarão aos postos de trabalho quando os salários estiverem na conta", revelou o presidente. Segundo ele, a empresa alega que o Estado devia seis meses de pagamento. "Mas o trabalhador não é responsável por isso", protesta.


A Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (SecultBA) informou que o repasse para a MS Segurança foi feito na tarde de quinta-feira (12). Em nota, a secretaria convocou os vigilantes para retornar as atividades a fim de reabrir para reabrir à visitação pública o Museu de Arte Moderna da Bahia, Museu de Arte da Bahia, Palacete das Artes, Solar Ferrão, Museu Abelardo Rodrigues, Museu Tempostal, Museu Udo Knoff de Azulejaria e Cerâmica e Parque Histórico Castro Alves.


Segundo Boaventura, há poucos funcionários nos postos de trabalho. A SecultBA informa que todas as bibliotecas administradas pela Fundação Pedro Calmon estão funcionando normalmente.


Matéria original: Correio 24h

Vigilantes de museus e espaços culturais de Salvador estão paralisados