Santa Casa

‘Cão Amigo’, labrador auxilia no tratamento de pacientes no Santa Izabel

O labrador Angus tem sido uma ajuda a mais na terapia e recuperação de crianças e adultos do hospital

Especial de Conteúdo
- Atualizada em


Oferecimento
Dizem que o cão é o melhor amigo do homem, mas essa amizade pode ir além do companheirismo do dia a dia. Sabendo da ação benéfica do cão na interação com os homens, o Hospital Santa Izabel vem trazendo para os pacientes uma visita especial: o labrador Angus, de três anos, que é a estrela do programa ‘Cão Amigo’. É ele quem traz alegria e é dele que vem uma ajuda a mais na terapia e recuperação de crianças e adultos.

A ideia surgiu dentro de uma ação da equipe de humanização do Hospital Santa Izabel, que é formada por multiprofissionais, tanto da área administrativa quanto da área assistencial. Angus chegou ao Hospital Santa Izabel de forma pioneira na Bahia. A iniciativa é aplicada com base na premissa de que a presença do animal no ambiente é capaz de melhorar o estado psicológico do paciente e ter, assim, avanços no tratamento.

Foto: Divulgação

A terapia assistida com animais é uma prática que já existe há algum tempo em outros países e também em importantes unidades hospitalares do Brasil. "O Comitê de Humanização do Hospital Santa Izabel, com todo apoio da Provedoria da Santa Casa da Bahia e da Diretoria do hospital, buscou ampliar suas ações, trazendo para o paciente um melhor bem estar e momentos de descontração e entretenimento", afirmou Ana Lúcia Ribeiro, coordenadora do Serviço de Psicologia do Hospital Santa Izabel.

Preparação
Antes de ter contato com os pacientes do Santa Izabel, Angus passou por uma série de avaliações, incluindo a certificação das vacinações em dia. “Construímos este projeto com o serviço de controle de infecção hospitalar, fazendo tudo que fosse necessário em prol da saúde dos pacientes e da segurança do cão”, explicou Tatiane Seixas, psicóloga do Grupo Gnap, parceria do Santa Izabel nesse projeto. 

Foto: Divulgação

Após treinamentos específicos para este tipo de interação, o cão passa a ser um co-terapeuta no processo de tratamento dos pacientes. O projeto foi implementado em abril deste ano e conta com visitas semanais de Angus, toda quinta-feira, das 14h30 às 16 horas, sempre alternando uma semana na unidade o pediátrica e outra, na adulto.

De acordo com Ana Lúcia, para cada grupo de pacientes os processos são diferentes, mas todos com a mesma finalidade. “Na visita às crianças, as psicólogas levam jogos e fazem uma interação lúdica. Já com os adultos é feita uma visita à beira do leito”, informou.