Santa Casa

Tudo o que você precisa saber sobre as burocracias de um falecimento

É preciso ter em mente as orientações básicas para solucionar as burocracias inerentes a um processo de morte

Especial de Conteúdo
- Atualizada em
Oferecimento
Lidar com o falecimento de um familiar é sempre um processo complicado, principalmente quando olhamos do ponto de vista emocional. Mas, para que tudo dê certo e seja resolvido sem dificuldades, é preciso ter em mente as orientações básicas para solucionar as burocracias inerentes a um processo de morte.

O primeiro passo após o falecimento é conseguir o atestado de óbito, que será liberado de forma diferente para os três tipos de morte: natural, violenta e no hospital.
Foto: Divulgação / Campo Santo
Em caso de morte natural, que é quando ela acontece repentinamente em casa ou qualquer outro ambiente diferente de um hospital, a família deve entrar em contato com um médico para constatar o óbito e assinar a declaração. Caso não tenham a assistência médica, será necessário solicitar a presença da Polícia Civil para que o corpo seja encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML).

Quando a morte é considerada violenta, relacionada a qualquer tipo de acidente de trânsito, homicídio, suicídio, queda, afogamento, incêndio, explosões, entre outras, a polícia deve ser acionada para que o corpo passe por exames no IML, que fornecerá declaração de óbito.

Já em casos de morte dentro do hospital, o médico responsável deverá emitir a declaração para que a família contate o serviço funerário para remoção do corpo.

Depois que o atestado for liberado, o familiar deve entrar em contato com a funerária, informar o local onde o corpo se encontra, apresentar os documentos pessoais do falecido para registro e a declaração de óbito. Em seguida, também deverá definir os serviços que deseja contratar - como urnas, coroas de flores, vestes etc. -, assim como o local do velório, cemitério e horário para sepultamento.

O próximo passo é o registro em cartório da certidão de óbito. O familiar de primeiro grau (pai, mãe, filhos ou cônjuges) deve ir até o Cartório de Registro Civil, com alguns documentos exigidos, como a declaração do falecimento, as certidões de nascimento, casamento, RG, CPF e título de eleitor.

O quarto e último passo é a escolha do local para sepultamento. Neste momento serão definidos o tipo de cerimônia, tempo de velório e modelo da placa de identificação.

Campo Santo Familiar - Cemitério mais antigo de Salvador, o Campo Santo, localizado na Federação, conta com um produto especial para quem busca diminuir a burocracia e as dores de cabeça que surgem no momento do falecimento de um parente.

A compra do Campo Santo Familiar garante como benefícios a escolha entre cremação e sepultamento, orientação para trâmites legais, ornamentação, sala para velório, coroa de flores, tratamento e transporte do corpo, caixão e livro de presença.