Herpes

Conheça os riscos do beijo entre Natália e Eliezer no 'BBB 22'

Em entrevista ao iBahia, dermatologista Aline Garcez explicou a problemática através do beijo entre Eli e Natália

Redação iBahia
17/02/2022 às 19h59

3 min de leitura

Na madrugada desta quinta-feira (17), após o beijo entre os participantes do Big Brother Brasil Elieser e Natália, a Web voltou a ter "herpes" como um dos assuntos mais comentados do Twitter. Durante a edição 22 do reality, a pauta foi levantada algumas vezes assim que Eli surgiu com feridas aparentes na boca após beijar a ex-participante Maria.

Dessa vez o caso não foi muito diferente. Segundo internautas, durante o beijo, o ferimento na boca do Brother teria soltado um certo tipo de secreção, que não causou desconforto a Natália, que seguiu até a dispensa para ajudar Eli.

Em entrevista ao iBahia, a dermatologista Aline Garcez, da Clínica InDerm, explicou quais os riscos de ter um contato íntimo durante o ciclo infeccioso do vírus da herpes.

Aline explica que a herpes simples é uma infecção crônica, recorrente e facilmente transmissível, que afeta a pele, lábios, olhos e a região genital.

No caso do Eli, quando há uma lesão visível e ativa, o risco de transmissão do vírus do HSV (Herpes Simplex Virus) é muito alto, afinal existe um contato direto entre a pele e a mucosa da outra pessoa. 

  • O que pode acontecer quando existe secreção? 

O risco de contaminação é ainda maior quando o vírus está ativo, ou seja, com lesões ativas, a transmissão acontece através das vesículas, as bolhinhas similares à do Brother no canto da boca. Essas feridas ficam ativas por um período entre 4-15 dias. Após formação de crostas, a chance de transmissão reduz consideravelmente. 

  • A herpes pode trazer complicações?

De acordo com a dermatologista, a lesão da pele resultante da infecção pelo vírus pode infeccionar com bactérias da própria pele piorando o processo inflamatório, inclusive, com a possível formação de cicatrizes. Pessoas com baixa imunidade podem desencadear lesões mais graves.

  • Quais cuidados devem ser tomados?

Assim que os primeiros sintomas surgem, é ideal é iniciar tratamento com antivirais orais, e no caso da lesão de Eliezer, a aplicação da pomada.

"É importante também higienizar as lesões de forma adequada, lavar bem as mãos após essa manipulação, não furar as vesículas (bolhinhas), evitar automedicação, evitar beijar ou falar muito próximo de outras pessoas, principalmente crianças ou pessoas com baixa imunidade, evitar relações sexuais se a localização for genital", explica a dermatologista.