Saúde

Alergia alimentar pode surgir a qualquer momento: saiba identificar

Pessoas que têm diagnóstico de asma alérgica ou alguma alergia estão mais suscetíveis a desenvolver um novo tipo

Evelin Azevedo, da Agência O Globo
O caso do torcedor do Flamengo que passou mal e morreu após comer camarão na praia de Copacabana acendeu o alerta para as alergias alimentares desconhecidas. Além do camarão, peixes, frutos do mar, castanhas, amendoim e frutas são os alimentos que mais causam reações alérgicas em adultos. Já as crianças costumam apresentar alergias a leite, ovo, soja e trigo.
De acordo com a Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (Asbai), não há estatísticas oficiais no Brasil, porém, a prevalência parece se assemelhar à literatura internacional, que mostra cerca de 8% das crianças com até dois anos de idade e 2% dos adultos sofrendo algum tipo de alergia alimentar.
As reações alérgicas são o resultado da sensibilização do sistema imunológico diante de uma substância que é identificada pelo organismo como “perigosa”. Conforme a pessoa é exposta ao alimento, ela desenvolve mecanismos de proteção até que a crise alérgica é desencadeada.
De acordo com Ariana Campos Yang, membro do Departamento Científico de Alergia Alimentar da Asbai, é muito raro apresentar reações alérgicas graves no primeiro contato com a substância alergênica. Amigos de Diego Fernandes, de 26 anos, disseram que era a primeira vez que o jovem experimentava camarão. De acordo com especialistas, o rapaz pode ter tido um contato prévio com o alimento, mas não o identificou:
— As alergias podem aparecer em qualquer momento. Um adulto pode ter comido um tipo de alimento durante vários anos e desenvolver uma alergia alimentar, que vai perdurar pela vida toda. Já a criança, cujo sistema imunológico está em fase de “aprendizado”, pode deixar de ser alérgico a um tipo de alimento quando chegar na fase adulta.
Asma é um grave fator de risco
Pessoas que têm diagnóstico de asma alérgica ou alguma alergia estão mais suscetíveis a desenvolver um novo tipo. De acordo com Lucila Camargo, alergologista do Grupo Fleury, a asma é um fator de risco para reações alérgicas mais drásticas.
— Em alguns casos a resposta exagerada do corpo à presença do alergênico gera inchaço da boca, dos olhos e da garganta rapidamente. O edema de glote pode dificultar a respiração do paciente e ser fatal — afirma Lucila.
Fazer parte de uma família com muitos alérgicos é outro sinal de alerta, que precisa ser levado em consideração diante da manifestação de algum sintoma. Diante de uma reação alérgica, deve-se procurar imediatamente um pronto socorro. — A rapidez no atendimento é fundamental para a manutenção da vida. É preciso agir rápido ter um plano de ação — alerta Ariana.
Conheça os sintomas
Reações cutâneas
Vermelhidão na pele, coceira, urticária com ou sem inchaço de olhos, boca e orelhas
Reações gastrointestinais
Coceira nos lábios e céu da boca, inchaço de língua ou de lábios, dor abdominal, diarreia com ou sem presença de sangue nas fezes, vômitos, refluxo exacerbado
Reações nas vias aéreas
Congestão nasal, coceira, espirros, tosse, falta de ar, chiado no peito que se iniciam de forma abrupta
Reações cardiovasculares
Aumento da frequência cardíaca, queda da pressão arterial, tontura, desmaios ou até mesmo perda de consciência