Saúde

Baixo desejo sexual? Saiba o que pode ser o problema

Médicos orientam o uso de gel de testosterona para aumentar a libido feminina

Perla Ribeiro, do Correio 24h

O casal está em um bom momento da relação afetiva, e, de repente, a mulher percebe que, por mais que tenha vontade de estar ao lado do seu par, já não sente mais tanto desejo sexual. No caso daquelas que usam anticoncepcional, a resposta para o problema pode estar bem próximo de ser descoberto. Para isso, o primeiro passo, de acordo com especialistas, é procurar o ginecologista para invetigar se o uso dos hormônios está prejudicando a vida sexual. dela 

De acordo com o ginecologista e obstetra do Hospital Albert Einstein, José Bento, a redução do desejo sexual isso ocorre porque alguns anticoncepcionais diminuem a quantidade de testosterona livre no corpo feminino, já que estimula a produção de uma proteína chamada de Globulina Ligadora de Hormônio Sexual (SHBG).

“A SHBG é a proteína ligadora dos esteroides sexuais. É ela que transporta a testosterona no organismo. Com a pílula, a mulher fica com excesso da SHBG, que age capturando toda a testosterona, afetando assim o desejo sexual da mulher”, explica o médico.

Isso significa que você precisa parar de tomar anticoncepcional para ter o apetite sexual de volta? Não. “As pílulas têm composições diferentes e também não são iguais para todas as mulheres. Os efeitos podem diferenciar de acordo com o organismo da mulher, cabe a ela procurar o seu ginecologista para receitar um gel de testorena para melhorar essa libido ou trocar de pílula” orienta José Bento.

Ainda de acordo com o especialista, toda mulher pode usar o gel de testosterona para resolver o problema da baixa libido. “O gel vai oferecer uma quantidade maior de testosterona, fazendo com que a libido volte a aumentar. O médico vai sinalizar qual o produto, a quantidade usada e o local onde passar. É importante que seja usado em uma área de boa absorção para ter melhores efeitos”, explica, acrescentando que o gel é vendido nas farmácias e custa entre R$ 130 e R$ 150.

Além do uso de pílulas anticoncepcionais, outro fator que afeta a libido feminina é a amamentação. “Quando ela está amamentando ela não menstrua porque a natureza preparou mais uma armadilha para a mulher não olhar para o macho. A natureza entende que naquele período, toda a atenção deve ser voltada para a criança. Por isso, com o aumento da prolactina, que é o hormônio responsável pela produção de leite, diminui a quantidade de testosterona, progesterona e estrogênio que a mulher produz, afetando assim o desejo sexual dela”, informa José Bento.