Saúde

Clínica de Salvador realiza programa de congelamento de sêmen para pacientes

Método é não invasivo e possibilita portadores da doença a terem filhos

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)
- Atualizada em

Com a chegada do mês de novembro, a conscientização com o câncer de próstata fica em evidência. Além de buscar tratamento e diagnósticos sobre a doença, é importante buscar o cuidado em fazer os portadores terem uma vida mais próxima possível do que é considerado normal, como a possibilidade de ter filhos. A clínica IVI, localizada na Avenida Paulo VI, tem o Projeto Reserva, voltado justamente para esse objetivo.

Foto: Divulgação

Durante o tratamento contra o câncer de próstata, o paciente pode ter o diagnóstico de infertilidade, seja ela temporária ou definitiva. Para isso, o projeto trabalha com o congelamento de sêmen, que deve ser coletado antes de iniciar o tratamento. Ele é geralmente coletado através da masturbação, o que torna o processo não invasivo. Caso o paciente não consiga ejacular, é possível fazer a coleta com uma agulha ou com procedimentos. O sêmen será usado em técnicas de reprodução assistida posteriormente.

O exame de toque ainda é a principal forma de detectar a doença. Junto com o PSA, ele ajuda a detectar precocemente a doença. O PSA (antígeno prostático específico) é uma proteína que pode ser encontrada no tecido da próstata, sêmen e corrente sanguínea. Um resultado normal no PSA, não exclui a possibilidade de haver um tumor maligno, por isso a necessidade do toque retal. Os dois exames devem ser feitos anualmente, em homens acima de 50 anos. Os sintomas só costumam aparecer nos estágios mais avançados e aí mora o perigo. Dores nas costas, pernas e no quadril podem surgir por conta da disseminação da doença para os ossos, por exemplo.