Saúde

Coronavírus avança e aumenta preocupação com população idosa; veja como se proteger

"É uma doença que não tem vacina e é mesmo perigosa para esse grupo. Não é para criar pânico, mas sim ter cuidado maior", afirma a geriatra Maísa Kairalla

Constança Tatsch e Rafael Garcia, da Agência O Globo

O medo que a Covid-19 desperta entre as pessoas não é infundado. Na China, epicentro da epidemia, os idosos representam a população mais vulnerável. Quando a epidemia atingiu 72.314 casos no país, o Centro de Controle de Doença (CDC) da China publicou um estudo mostrando que 2,4% dos pacientes acabaram morrendo. Quando considerados pacientes de 70 a 79 anos, porém, a taxa de letalidade subia para 8%, e, entre os pacientes com mais de 80 anos, 14,8% dos casos resultaram em morte.

— É uma doença que não tem vacina e é mesmo perigosa para esse grupo. Não é para criar pânico, mas sim ter cuidado maior — afirma a geriatra Maísa Kairalla, presidente da Comissão de Imunização da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia.

Para esse público mais suscetível, a geriatra ajudou a criar um guia com recomendações e novos hábitos para evitar a contaminação:

Abandone o lenço de pano
Ele já foi símbolo de elegância, mas não é higiênico. Após um espirro, o vírus pode ficar horas no pano. Caso o lenço vá para o bolso, contaminará as mãos depois. Prefira os de papel descartáveis e cubra nariz e boca com o braço ao tossir ou espirrar.

Cada um com seu copinho
O copinho coletivo do filtro ou da moringa deve ser aposentado. Evite compartilhar outros utensílios, como talheres, pratos ou garrafas. Use menos o ar-condicionado e deixe a casa mais aberta para ventilar naturalmente.

Atenção com as crianças
As crianças podem trazer vírus da rua ou da escola. Por isso, é fundamental que elas estejam sempre vacinadas: é o chamado “efeito rebanho”, ou seja, protege todo mundo. Outro cuidado importante é lembrá-las de lavar bem as mãos ao chegar.

Longe de aglomerações
As crianças podem trazer vírus da rua ou da escola. Por isso, é fundamental que elas estejam sempre vacinadas: é o chamado “efeito rebanho”, ou seja, protege todo mundo. Outro cuidado importante é lembrá-las de lavar bem as mãos ao chegar.

Saúde em dia
Faça atividade física, alimente-se bem e beba muita água. Mantenha as visitas ao médico atualizadas para garantir que eventuais doenças, como diabetes, problemas cardíacos ou respiratórios, estejam controlados e não haja anemia ou desidratação.

Fique (bem) informado

Cuidado com as fake news: há muita informação falsa circulando pela internet. Não confie em tudo que chega pelo Whatsapp ou Facebook, mesmo que seja de amigo ou familiar. Informe-se por veículos de comunicação sérios ou com agentes de saúde.

Mulher internada em estado grave

Uma mulher de 52 anos infectada pelo novo coronavírus no Distrito Federal está em estado grave e respira com a ajuda de aparelhos. Segundo a Secretaria de Saúde do DF (SES-DF), a paciente que esteve em viagem na Inglaterra apresenta “síndrome respiratória aguda severa, em função de doença crônica preexistente’’. Ela está isolada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

Na China, onde a epidemia começou, um hotel de cinco andares, usado para quarentena, desabou ontem deixando 70 pessoas debaixo de escombros. O acidente aconteceu em Quanzhou, cidade portuária no sudeste do país. O hotel Xinjia caiu por volta de 19h30 (8h30 de Brasília). As últimas informações divulgadas eram de que 38 pessoas foram resgatadas dos escombros sem ferimentos.