Saúde

Dormir com luz acesa ou televisão ligada aumenta risco de obesidade, aponta estudo

Os pesquisadores analisaram os dados de 43.722 mulheres, que responderam a um estudo sobre fatores de risco para o câncer de mama e outras doenças

Agência O Globo
Dormir com alguma luz acesa ou com a televisão do quarto ligada pode favorecer a obesidade em mulheres. É o que aponta um estudo realizado pelo Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos. A pesquisa é a primeira a encontrar uma associação entre qualquer exposição à luz artificial durante a noite enquanto dorme e ganho de peso.
— Isto está relacionado ao efeito da melatonina, hormônio produzido à noite para induzir o sono. Qualquer tipo de luz inibe sua produção, afetando o sistema metabólico. Quando você tem pouca melatonina, sua chance de desenvolver resistência insulínica é maior. Esta condição favorece o ganho de peso não só nas mulheres, como nos homens também — explica Mario Carra, presidente do Departamento de Obesidade da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM).
Os pesquisadores analisaram os dados de 43.722 mulheres, que responderam a um estudo sobre fatores de risco para o câncer de mama e outras doenças. As participantes tinham entre 35 e 74 anos, não apresentavam histórico de câncer ou doença cardiovascular, assim como não trabalhavam à noite, nem dormiam durante o dia ou estavam grávidas no início da pesquisa.
O questionário do estudo perguntou se as mulheres dormiam totalmente no escuro, com pouca luz, luz fora do quarto, luz ou televisão ligada dentro do quarto. Os cientistas usaram peso, altura, circunferência da cintura e do quadril e medidas do índice de massa corporal aferidas no início do estudo e para comparar com as mesmas medidas após cinco anos de acompanhamento. Usando essas informações, os cientistas puderam estudar a obesidade e o ganho de peso em mulheres expostas à luz artificial à noite com mulheres que relataram dormir em quartos escuros.
Os resultados variaram com o nível de luz artificial durante a exposição noturna. Por exemplo, usar uma pequena luz noturna não estava associada ao ganho de peso, enquanto as mulheres que dormiam com a luz do quarto acesa ou a televisão ligada tinham 17% mais chances de ganhar 5 quilos, ou mais, durante o período estudado. A associação com a luz vinda de fora do quarto era mais modesta.
— Os seres humanos são geneticamente adaptados a um ambiente natural de luz solar durante o dia e escuridão à noite. A exposição à luz artificial à noite pode alterar os hormônios e outros processos biológicos de maneiras que aumentam o risco de condições de saúde como obesidade — diz Chandra Jackson, coautora do estudo.
Qualidade do sono não determina obesidade sozinha
O endocrinologista Mario Carra reforça que o fato de dormir mal pode aumentar as chances de desenvolver a obesidade, mas, por si só, não é determinante.
— Sono e obesidade estão bem relacionadas uma com a outra, mas não é porque eu durmo mal que vou engordar, nem porque eu durmo bem que não vou engordar. Todas as situações que facilitam o ganho de peso devem ser evitadas — afirma.