Saúde

Entenda como as mudanças nos planos de saúde afetam a sua vida

Confira os principais efeitos no dia a dia de quem tem plano de saúde

Luciana Casemiro, da Agência O Globo
Uma semana depois do anúncio pela Amil, a maior operadora do país, avisar que descredenciará 17 hospitais por divergências em relação à forma de pagamento, ainda há muitos dúvidas sobre qual será o impacto dessas mudanças para os usuários de planos de saúde.
Segundo os especialistas, o modelo de pagamento atual na relação entre operadoras e hospitais, de fato, promove desperdício, o que tem impacto no custo e vai refletir no valor final pago pelo consumidor. Mas não é só. No mundo inteiro a tendência é de redução pelas operadoras do número de hospitais, ambulatórios e médicos credenciados. São menos estabelecimentos, mas com maior articulação entre os prestadores de serviços dentro de uma novo modelo de atendimento que privilegia a medicina preventiva.
As mudanças que estão sendo implementadas podem diminuir a pressão sobre os aumentos dos planos de saúde, mas também, com o aumento das redes próprias de atendimento, há um risco de ingerência das operadoras sobre o tratamento dos pacientes. Confira os principais efeitos no dia a dia de quem tem plano de saúde:
A mudança no modelo de remuneração dos hospitais pelas operadoras pode levar a alguma alteração no pagamento do meu plano de saúde?
Não. A forma das operadoras pagarem os prestadores de serviços não está relacionada ao modelo de pagamento dos consumidores.
Essa mudança pode reduzir ou aumentar o quanto pago pelo plano de saúde?
As operadoras afirmam que reduzindo desperdícios, com a mudança de modelo de pagamento, os reajustes serão menores. Alguns dizem até que esse efeito poderia ser sentido em um ano. No entanto, nenhuma empresa informou quanto conseguiu economizar e qual foi o efeito na atenção à saúde naqueles prestadores de serviços que já adotaram novas formas de remuneração.
O número de médicos, hospitais e clínicas credenciados no meu plano pode diminuir?
Os especialistas avaliam que deve haver uma redução na rede credenciada. Esse movimento vem acontecendo no mundo inteiro e tem relação com a transformação na forma de assistência. Com o foco em medicina preventiva e cuidado coordenado, as operadoras tendem a investir em uma rede menor, mas com unidades mais articuladas. Isto quer dizer que troquem mais informação entre si.
Uma rede menor é uma má notícia para o beneficiário?
Para os especialistas, não necessariamente uma oferta de rede menor é prejudicial ao consumidor. Mas é preciso respeitar o contrato e não restringir a escolha. No entanto, há maior preocupação é que com o investimentos de operadoras em redes de assistências próprias, ambulatoriais, laboratoriais e hospitalares, haja interferência das empresas na conduta médica.
Como garantir que seja adotada a melhor conduta médica e não a de menor custo?
Indicadores de qualidade e transparência nas informações são pontos defendidos por especialistas para garantir que está sendo dada a melhor assistência aos usuários de plano de saúde.
Era necessário, de fato, mudar a forma de pagamento dos prestadores de serviço ou essa é só uma manobra para as operadoras terem mais lucro?
O consenso entre especialistas de todo o mundo é de que o modelo hegemônico de pagamento, o fee for services, que remunera por procedimento, não é o ideal. A própria Organização Mundial para a Saúde (OMS) já divulgou um relatório em que aponta que esse modelo estimula desperdício e aumenta custos. Segundo os especialistas, além de uso excessivo, o pagamento por serviços não promove a melhor assistência.
Se a adoção de um novo modelo é tão importante para o setor, por que ainda a maioria dos pagamentos é feita por serviço?
Segundo os especialistas, é necessário um convencimento dos prestadores de serviços pelas operadoras e também vencer a desconfiança de que uma nova forma de pagamento, necessariamente seria desvantajosa para uma das partes. A transparência das informações, dizem os especialistas, é fundamental para ultrapassar essa barreira.
De que forma a mudança de modelo pode alterar a qualidade do atendimento ao paciente?
Muitos modelos de remuneração que vêm sendo implementados relacionam parte do pagamento ao desfecho clínico do paciente. Em alguns casos, o pagamento responsabiliza os prestadores, inclusive, a intercorrência que aquele paciente venha a ter depois de 30 a 90 dias do procedimento. Na visão das operadoras isso estimula que os prestadores atuam da forma mais eficiente e eficaz para a solução do problema do paciente.