Saúde

Estética íntima: conheça os tratamentos para rejuvelhecer a vagina

Brasil é o país que mais realiza cirurgias íntimas e que existem outros recursos estéticos para diversas alterações

Redação Dino

A beleza e o padrão de beleza são algo que sempre estão em destaque na mídia e influenciam a vida das pessoas. Sabe-se que as mulheres fazem uso de vários recursos dermatológicos e estéticos para melhorar a aparência, mas isso é muito recorrente para afecções corporais e faciais. O que se tem visto ultimamente é o cuidado e maior preocupação com a estética íntima, lembrando que não existe um modelo padrão dessa região, mas as mulheres estão interessadas em “melhorar” a aparência.

São diversos fatores, tanto internos quanto externos, que auxiliam na modificação anatômica e estética da região íntima, sendo eles: idade, aumento excessivo de peso, tabagismo, alimentação não balanceada, alcoolismo, algumas medicações, gravidez e parto, alterações hormonais, depilações com cera ou lâmina, roupas inadequadas, assim como alteração e predisposição genética.

Foto: reprodução
A pele, por ser o órgão mais externo, sofre com esses fatores que influenciam no envelhecimento, inclusive da região íntima. Por causa disso, pode haver modificação na coloração da vagina (escurecimento), foliculite (irritação no folículo do pelo), cicatriz pós-parto. Outras alterações que incomodam a mulher podem ser flacidez de pele e de músculo, perda de volume da região íntima, atrofia dos lábios vaginais e/ou ressecamento da vagina.

Relacionando esse assunto com a sexualidade, sabe-se que, quanto mais insatisfeita com seu próprio corpo, mais a vida sexual da mulher é afetada; assim como autoestima e qualidade de vida. A organização mundial de saúde relaciona diretamente as alterações na saúde sexual com a qualidade de vida. Essa relação foi comprovada através de um estudo feito em 2012 em que mulheres que apresentaram casos depressivos tinham uma autoimagem negativa da genitália.

O que pouca gente sabe é que o Brasil é o país que mais realiza cirurgias íntimas e que existem outros recursos estéticos para diversas alterações.



A eletroestimulação é muito utilizada na fisioterapia urogenital para melhorar força de musculatura e, por consequência, tratar incontinência urinária e fecal e prolapso de bexiga. Já o ultrassom cavitacional, a carboxiterapia e a criolipólise são utilizadas para tratamento de gordura localizada, principalmente na região púbica.

A luz pulsada faz depilação definitiva de pelos e trata manchas, diminuindo irritação e foliculite causadas por lâmina e clareando a região íntima.

A radiofrequência, como o hertix smart, é uma das maiores novidades da estética íntima. Ele faz o tratamento de flacidez de pele principalmente de lábios, já que é normal essa perda de fibras de colágeno e ressecamento.