Saúde

FAQ da telemedicina: veja as perguntas mais frequentes nas consultas da quarentena

Especialistas de diferentes áreas listaram as maiores preocupações dos pacientes

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)

A pandemia mudou o estilo de atendimento médico da sociedade. Para além de questões como o coronavírus, outros problemas de saúde estão aí, e os atendimentos não pararam, mas se transformaram com a chamada telemedicina, o atendimento virtual.

"É importante criar e estabelecer um vínculo com o paciente, e, como numa consulta presencial, a telemedicina permite tirar dúvidas, descartar patologias suspeitas, fazer diagnóstico, indicar tratamentos e ainda evitar o risco da automedicação", explica a dermatologista Paula Bellotti.

Especialistas contaram quais são as FAQ (Questões Frequentemente Perguntadas, em inglês) da telemedicina nesta quarentena.

Problemas na pele

O casal de dermatologistas Valeska e Fabio Francesconi diz que emergências dermatológicas, como urticárias, edemas, alergias a medicamentos e dermatites de contato, são os casos mais comuns. Queixas sobre dermatoses também são frequentes devido ao aumento do estresse.

Skincare ideal

Francesconi relata também que os cuidados para ter uma pele bonita também são preocupações frequentes. "A gente consegue iniciar e manter os cuidados com o corpo e o rosto com medidas domiciliares, orientadas no teleatendimento, como o uso de cremes e formas de massagens, por exemplo. É importante cuidar da saúde mental neste momento, e a autoestima influencia positivamente nesse aspecto", afirma o dermatologista.

As consultas vão voltar?

O endocrinologista Alexandre Ferreira conta que a pergunta que mais tem ouvido dos pacientes em teleatendimentos é se já é possível voltar à clínica para realizar procedimentos estéticos. E quais medidas de segurança são seguidas para que esses protocolos sejam realizados sem risco.

"Pacientes que já realizavam tratamentos estéticos antes do isolamento têm dúvidas sobre a possibilidade de voltar a realizar protocolos com segurança. Nossa resposta é sim, pois já reestruturamos e readequamos todo o nosso espaço com os sistemas de proteção", explica.

Mas o endocrinologista frisa que só estão sendo adotados protocolos com tecnologias seguras em relação à proximidade, que dão mais segurança ao paciente e ao médico.

Fuga da dieta

"Para quem ganhou peso, aconselhamos retomar os hábitos alimentares saudáveis e, quando tudo passar, investir em um protocolo que utilize radiofrequência seletiva. É um procedimento indolor que elimina células de gordura", explica.

A dermatologista Paula Bellotti diz que, por muitos pacientes estarem abusando na alimentação e sem atividades físicas frequentes, são muitas as queixas referentes à forma.

"É preciso reforçar a mensagem de que isso vai passar e que o foco é a saúde. Até lá, é importante tentar regular a alimentação", diz Paula, que recomenda para depois da pandemia um tratamento que utiliza a tecnologia eletromagnética de alta intensidade para acelerar o processo de adaptação muscular.