Saúde

Feira de Santana já registra 14 casos de chikungunya, diz Ministério da Saúde

Outros 37 casos chamados de "importados" foram registrados este ano no Brasil

Da Redação (redacao@portalibahia.com.br)

Mais nove casos da doença chikungunya foram confirmados em Feira de Santana nesta terça-feira (23) pelo Ministério da Saúde. Ao todo, já são 14 infectados na cidade baiana, que é responsável pela maioria dos casos do Brasil. Fora de Feira, foram registrados somente outros dois casos de doentes, na cidade Oiapoque (Amapá). Outros casos suspeitos estão sendo investigados.


Segundo o Ministério da Saúde, as pessoas infectadas não possuem registro de viagem internacional para países onde há transmissão. Outros 37 casos chamados de "importados" foram registrados este ano - nestes, as pessoas viajaram para países com a transmissão da doença e provavelmente contraíram a febre fora do Brasil.


Equipes do Ministério da Saúde já estão em Feira trabalhando em parceria com as secretarias estadual e municipal em ações de prevenção e vigilância da doença. Também faz parte deste trabalho a orientação de profissionais de saúde quanto ao manejo clínico da doença e a eliminação de criadouros nas residências.


A doença

A febre chikungunya é causada por um vírus do gênero Alphavirus, transmitido por mosquistos Aedes, como o da dengue.


Seus sintomas - febre alta, dor muscular e nas articulações, cefaleia e exantema – costumam durar de três a 10 dias, e sua letalidade, segundo a Organização Pan-Americana de Saúde, é rara e menos frequente que nos casos de dengue.


O tratamento é feito para combater os sintomas, com analgésico (paracetamol), hidratação e repouso. O vírus já foi identificado em 19 países, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS).


Desde 2010, quando o Brasil registrou três casos contraídos no exterior da doença, o Ministério da Saúde passou a acompanhar e monitorar continuamente a situação do vírus causador da febre.Matéria Original: Correio 24h

Feira de Santana já registra 14 casos de chikungunya, diz Ministério da Saúde