Saúde

Mamães fitness e especialistas ensinam como controlar o ganho de peso durante a gravidez

A nutricionista Luana Grabauskas explicou que a alimentação balanceada é essencial para o desenvolvimento

Lívia Oliveira (livia.oliveira@redebahia.com.br)
- Atualizada em

Gravidez também é o momento para investir em hábitos saudáveis e em uma rotina regular de exercícios. A modelo Suzy Ferreira, de 28 anos, e a fisioterapeuta Laura Teixeira, de 33 anos, são exemplos de que é possível manter o controle no ganho de peso e não abrir mão de nada durante a espera do baby.

Laura Teixeira (Foto: arquivo pessoal)
"Já praticava crossfit há três, treinava até seis dias na semana e seguia uma dieta rica em proteínas e com baixa ingestão de carboidratos. Quando descobrir a gravidez procurei uma equipe profissional que atendesse as minhas demandas, pois queria me manter o mais ativa possível nessa nova gestação - já tenho uma filha de sete anos", explicou Laura.

Atualmente, a fisioterapeuta está com oito meses de gravidez e continua fazendo crossfit três vezes na semana. Ela ganhou oito quilos até o momento e não sofreu com azia ou retenção líquida.

 "Acrescentei o Yoga na minha rotina duas vezes na semana. Mantive o meu cardápio alimentar e a mesma quantidade de refeições por dia. Tento manter um equilíbrio e quando tenho vontade me permito comer doces", esclareceu Laura.

Suzy também contou ao iBahia que já era adepta de um estilo de vida saudável antes da gravidez. “Sempre tive um cuidado maior com o meu corpo. Sempre fiz musculação e segui uma alimentação equilibrada, evitando consumir besteiras e alimentos gordurosos”.

O costume equivocado de usar o ditado “grávida pode comer por dois” para extrapolar na comida não faz parte da rotina da modelo. "Fiz acompanhamento com nutricionista por muito tempo, então na gravidez só mantive o cuidado com a escolha dos alimentos. Além disso, acrescentei mais folhas, verduras e frutas na minha dieta para ajudar no desenvolvimento da minha filha", contou Suzy.
Suzy Ferreira grávida de nove meses (Foto: arquivo pessoal)
Para evitar comer muito, Suzy disse que faz lanches intermediários entre as grandes refeições. Já com relação a azia, ela explicou que mudar alguns hábitos diminuíram os sintomas. "Passei a me alimentar mais cedo de noite, umas duas horas antes de dormir, e cortei alimentos condimentados do meu cardápio".

Suzy, que está curtindo os últimos momentos da sua primeira gestação, ganhou em torno de 14 quilos. Ela também faz aulas de pilates para manter a boa forma.

Opinião de especialista


Para saber se as mamães fitness adotaram hábitos realmente benéficos para os bebês, o iBahia conversou com a nutricionista Luana Grabauskas sobre a importância da alimentação balanceada na gravidez.

"Todos os alimentos ingeridos pela gestante são transportados pela placenta, disponibilizando os nutrientes também para o bebê, que irá utilizá-los de acordo com suas necessidades. O desenvolvimento adequado do feto depende exclusivamente dos nutrientes disponibilizados pela mãe", explicou Luana.

A especialista preparou uma lista com todos os nutrientes que não podem faltar no cardápio das grávidas. Confira:
Foto: reprodução
1- Proteína: indispensável para o desenvolvimento das células do bebê e para a placenta.
Fontes: carnes em geral, ovos e proteínas vegetais (feijão, lentilha, grão de bico, tofu e cogumelos).
Incluir fontes proteicas: café da manhã, almoço e jantar.

2- Cálcio: essencial para formação óssea do feto e para a contração muscular.
Fontes: Iogurtes naturais, amêndoas, gergelim e vegetais verdes escuros.
Incluir fontes diariamente.

3- Vitamina D: ajuda na formação das células , desenvolvimento de ossos e dentes da criança. Tomar 20 minutos de sol ao dia, sem protetor, ou utilizar suplementação.

4- Vitamina C: de grande importância para o desenvolvimento, construção e reparação dos tecidos, na cicatrização, no crescimento e desenvolvimento ósseo do bebê. Auxilia também na absorção de ferro, quando consumida na mesma refeição de alimentos ricos neste mineral.
Fontes: laranja, acerola e a maioria das frutas.

5- Ferro: importante na formação das células do sangue.
Fontes: carnes e vegetais verdes escuros.

6- Vitamina A: contribui para formação das células no desenvolvimento de olhos e da pele.
Fontes: carnes, vegetais e frutas de tom alaranjado.

7-Ácido fólico: ajuda na formação das células brancas e vermelhas do sangue. É essencial durante a gestação para ajudar na produção aumentada de sangue, que também auxilia na formação do material genético de cada célula e no tubo neural do feto.
Fontes: ovos, lentilha, feijões e folhas verdes.

Luana Grabauskas também indicou o que precisa ser evitado para o desenvolvimento adequado do feto. "Bebidas alcoólicas; alimentos ricos em sódio; industrializados; carne crua ou mal passada; queijos sem rótulos ou sem o carimbo do SIF (Serviço de Inspeção Federal), queijos não pasteurizados e queijos com veios azulados; ovos crus; frutos do mar crus ou mal cozidos".

A expressão "grávida deve comer por dois" não passa de um ditado. "O ganho de peso excessivo na gestação é um risco à vida da mãe e do feto", aconselhou Luana.
Laura Teixeira no estúdio de crossfit (Foto: Upside)
Para diminuir ou evitar o desconforto da azia e a retenção de líquido,  sintomas comuns da gravidez, a especialista também separou algumas dicas.

Azia

"Evite beber líquidos durante as refeições; mastigue bem os alimentos, não deite depois que comer; coma pequenas porções por vez e várias vezes por dia; inclua chás digestivos na alimentação (hortelã e erva cidreira) e evite alimentos industrializados".

Inchaço

"Se mantenha bem hidratada; consuma com frequência frutas, verduras e legumes; reduza o consumo de açúcares e doces; pratique atividade física regularmente. Esses hábitos irão ajudar a eliminar líquidos e o inchaço no fim do dia", orientou Luana.

Para controlar o inchaço, Luana também aconselhou evitar consumir produtos industrializados, frios, enlatados, alimentos em conserva carnes salgadas e condimentos".

Atividade física

Suzy Ferreira e Laura Teixeira fizeram muito bem em manter as atividades físicas na rotina. "Tanto a musculação quanto o crossfit podem ser praticados pelas gestantes, mesmo que elas não praticasse a modalidade antes da gravidez. Elas só precisam ser acompanhadas por especialistas para fazer as devidas adaptações e evitar complicações", garantiu o educador físico Gutemberg Vieira.

No caso de mulheres que não praticavam atividade física antes da gravidez, o especialista explicou que geralmente é recomendado começar a praticar exercícios a partir do quarto mês de gravidez.

Suzy em uma sessão de pilates (Foto: arquivo pessoal)