Saúde

Saiba como a alimentação pode ajudar a manter os hormônios do corpo em equilíbrio

Os alimentos além de funcionarem como combustível para o corpo, são também matéria-prima para a construção de hormônios

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br )

A alimentação é fundamental para o bom funcionamento de todo o organismo e, inclusive, pode contribuir para manutenção dos hormônios do corpo em equilíbrio. Desta forma, sintomas como indisposição, cansaço, baixa libido, ansiedade, pele seca, cabelos finos e opacos, ganho de peso, perda do sono, intolerância ao estresse e falha na energia podem ser diminuídos ou até eliminados da sua rotina. 

Os sintomas citados anteriormente são alguns sinais que o corpo emite quando a produção natural dos hormônios estão diminuindo. Segundo o nutrólogo da Clínica Elsimar Coutinho, Fernando Pequeno, se nosso corpo fosse uma orquestra, os hormônios seriam os músicos. “São eles que colocam tudo para funcionar. O pleno bem-estar só existe com um equilíbrio hormonal perfeito. Cedo ou tarde, a falta ou excesso de hormônios trará prejuízos à saúde”, afirma o especialista. 

E como a alimentação entra nisso? 

Os alimentos são agentes poderosos de transformação. Isso porque, além de funcionarem como combustível para o corpo, são também matéria-prima para a construção de hormônios. De acordo com o médico, esta é uma das razões pelas quais as proteínas e as gorduras são considerados nutrientes essenciais à vida e que, sem eles, o corpo não conseguiria produzir hormônios nem neurotransmissores. Os fitoquímicos - substâncias que conferem cor, aroma e sabor - presentes em plantas frescas, temperos, ervas e chás aromáticos, são capazes de melhorar o tempo de ação dos hormônios e de transformá-los em versões mais saudáveis. “Prazer e saúde podem andar juntos”, diz. 

O nutrólogo acredita que, mesmo em meio à pandemia do novo coronavírus, as doenças que ainda mais matam não são apenas as transmitidas por vírus ou bactérias. “As maiores ameaças à nossa vida  são geradas dentro do nosso próprio corpo. Com uma alimentação ruim, os músicos não sobem ao palco ou, quando sobem, estão desafinados e a melodia se perde”, explica o Dr. Fernando, que, ainda destaca a hipertensão, diabetes, infarto, derrame cerebral, obesidade, depressão, ansiedade, doenças degenerativas (como Alzheimer) como o resultado de desequilíbrios múltiplos na orquestra hormonal. 

Conforme o médico, o mesmo hormônio, por exemplo, que mantém a pele da mulher jovem firme, viçosa e sem rugas, também é o hormônio que dá elasticidade às veias e artérias. Quando o hormônio cai, a pele perde colágeno e as artérias, a elasticidade, resultado: a pressão arterial sobe. Os desequilíbrios hormonais são a maneira pelo qual as doenças aparecem. “Os hormônios não caem porque estamos envelhecendo, nós envelhecemos e adquirimos as doenças próprias da velhice porque os hormônios caem'', afirma o especialista. 

Dicas para uma vida mais equilibrada e saudável 

O especialista ainda listou alguns hábitos e atitudes do dia-a-dia que são capazes de ter um impacto muito significativo na produção e no equilíbrio hormonais. Dando a atenção necessária para essas seis ações, o médico garante que sua saúde será transformada. Confira abaixo:

  •  Durma cedo e em um quarto completamente escuro. O sono é o regente principal para a sua orquestra hormonal; 
  • Pratique exercícios diariamente. Não precisa de muito, 15 a 20 minutos basta — acredite!
  • Evite o açúcar e os carboidratos refinados. Eles destroem o seu equilíbrio hormonal;
  • Aumente o consumo de vegetais frescos, de ervas, temperos e chás aromáticos, eles mantém a sua orquestra bem afinada;
  • Pratique jejum intermitente, faça poucas refeições ao dia. Os pequenos lanches ao longo do dia não são inocentes como imaginávamos;
  • Mantenha-se magro de verdade, sem gordura localizada. Nada é tão ruim para a saúde quanto o excesso de peso.