Saúde

Saúde: confira 10 mitos e verdades sobre alimentos enlatados

Alimentos envasados em latas de aço não só são saudáveis como têm mais valor nutricional que sua versão in natura

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)
- Atualizada em

Em tempos de quarentena, os alimentos enlatados se tornaram uma excelente opção para longos períodos de armazenamento e servem como ingredientes para diversas receitas. Porém, muitas pessoas ficam receosas sobre esse tipo de conservação de comida e acabam não comprando. Pensando nisso, a presidente da Associação Brasileira de Embalagem de Aço (Abeaço), Thais Fagury, separou as principais verdades e mentiras sobre os alimentos enlatados. Confira:

“Apesar de todos estes benefícios, muitos consumidores desconhecem que os alimentos envasados na lata de aço não levam conservantes ou aditivos químicos, têm seu sabor e suas propriedades nutricionais preservadas por mais tempo e podem ser mantidos sem refrigeração, economizando energia. A embalagem bloqueia a incidência de luz e oxigênio, fatores que aceleram a degradação do conteúdo e, por isso, conserva o produto por mais tempo na prateleira ou em casa”, disse Thais Fagury.

1 – Embalagem de aço é a melhor opção para o envase de azeite.

Verdade. Uma pesquisa da Unicamp provou que a lata de aço é a melhor opção de embalagem para preservar o azeite e suas propriedades nutricionais. Diferente das outras embalagens transparentes, a lata de aço não permite e incidência de luz e oxigênio e evita a oxidação do produto, conservando o sabor e as propriedades por mais tempo.

2 – Alimentos enlatados não são prejudiciais à saúde.

Verdade. Os alimentos envasados em latas de aço não só são saudáveis como, em alguns casos, têm mais valor nutricional que sua versão in natura. A lata preserva naturalmente o sabor e todas as propriedades nutricionais dos alimentos, sem necessidade de conservantes ou aditivos químicos. Além disso, seu processo de fabricação destrói os micro-organismos e elimina em 99% os resíduos de pesticidas.

3 – Os produtos ficam protegidos na lata de aço.

Verdade. A lata de aço impede o contato com a luz e o oxigênio, fatores que deterioram as propriedades dos alimentos, acelerando reações químicas e alterando, por exemplo, seu sabor, cor e consistência.

4 – Lata amassada compromete a qualidade dos alimentos.

Mentira. Mesmo se a lata estiver amassada não há problema algum em consumir o alimento, pois as embalagens são revestidas por uma película protetora que resiste a deformações. “Porém, não devemos consumir latas perfuradas ou estufadas, pois indica reações químicas inadequadas para o consumo”, destaca Thais. 

5 – Latas enferrujadas podem causar tétano.

Depende. A ferrugem faz parte do processo natural da degradação do aço e, sozinha, não faz mal à saúde. Já o tétano é uma doença causada por micro-organismo que pode estar em muitas superfícies, principalmente no solo. Ou seja, qualquer material que esteja contaminado com esse micro-organismo pode causar tétano ou qualquer outra doença.

6 – Tomate em lata tem mais licopeno do que o tomate in natura.

Verdade. O tomate enlatado tem três vezes mais licopeno do que o tradicional, devido ao seu processo de cozimento dentro da própria lata. Estudos comprovam que o nosso organismo absorve melhor o licopeno quando exposto ao cozimento, ou seja, o calor aumenta a biodisponibilidade da substância, tornando-a mais presente do que nos tomates frescos.

7 – Milho cozido em casa é menos calórico do que o milho enlatado.

Mentira. O milho enlatado é 40% menos calórico do que o milho cozido em casa.

8 – Os alimentos enlatados são econômicos.

Verdade. Os alimentos enlatados oferecem melhor custo-benefício, são saborosos, nutritivos e permanecem preservados por mais tempo, evitando desperdícios. Além disso, com enlatados você não gasta energia para armazenar os alimentos, pois não precisam de refrigeração.

9 – Feijoada enlatada tem mais calorias do que a tradicional.

Mentira. Feijoada em lata é 30% menos calórica do que a tradicional.

10 - Alimentos enlatados não causam botulismo.

Verdade. O botulismo não está relacionado à embalagem. É uma forma de intoxicação alimentar rara, mas potencialmente fatal, causada por uma toxina produzida pela bactéria Clostridium botulinum presente no solo e em alimentos contaminados e mal conservados.