Saúde

Síndromes de 'Pica' e 'Koro': conheça os 8 transtornos mais estranhos do mundo

Estudo aponta que ao menos um terço da população mundial sofre de algum transtorno mental, em vários níveis de gravidade

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)
- Atualizada em
A 'síndrome de Pica' faz com que o indivíduo atingido tenha um apetite descontrolado por coisas ou substâncias
não comestíveis, como tecidos, sabão, moedas, carvão, pedra e tudo mais

A mente humana é algo mais complexo do que se pode imaginar. Ela tem funções que fazem os indivíduos conscientes, tais como a interpretação, os desejos, o temperamento, a imaginação e a linguagem. Todas estão ligadas a qualidades mais inconsciente como o pensamento, a razão, a memória, a intuição e a inteligência. Levando em consideração todos esses fatores, a Organização Mundial de Saúde desenvolveu um estudo, em 2000, que aponta que ao menos um terço da população mundial sofre de algum transtorno mental.

A mesma pesquisa mostra que o número de síndromes, em qualquer gravidade, tem aumentado muito e que da década de 1950 para os dias de hoje mais que triplicou. Entre os diversos transtornos existentes, alguns têm destaque por seu caráter 'estranho' e levam o ser humano a ter comportamentos que beiram o inimaginável. Confira uma seleção com oito distúrbios apontados por pesquisa do jornal australiano Sydney Morning Herald e pelo Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais.

'Síndrome de Pica'
À princípio o nome mais usado para denominar a alotriofagia pode causar estranheza, mas não há nada de pornográfico nela. O transtorno bastante raro entre os seres humanos faz com que o indivíduo atingido tenha um apetite descontrolado por coisas ou substâncias não comestíveis, como tecidos, sabão, moedas, carvão, pedra e tudo mais. O 'pica' vem do latim e significa 'pega', um pássaro do hemisfério norte conhecido por comer quase de tudo que encontrar por sua frente. Em 2004, médicos franceses atenderam um senhor de 62 anos que devorava moedas. Apesar dos esforços, ele morreu com cerca de 600 dólares no estômago. Outro caso chamou a atenção recentemente: uma mulher grávida de 8 meses têm desejo de comer pedras, pondo em risco sua saúde e a do bebê.

'Síndrome de Cotard' ou 'Síndrome do cadáver ambulante'
Em 1980, o neurologista francês Jules Cotard descreveu o caso de uma mulher de 43 anos que sofria de uma forma grave de melancolia ansiosa, com um delírio hipocondríaco incomum caracterizado pela convicção da não-existência dos seus órgãos. Alguns outros autores já haviam mencionado casos similares, mas Cotard foi o primeiro a fazer uma descrição detalhada dessa condição. Desde então, diversos casos semelhantes têm sido descritos na literatura. A síndrome de Cotard é também conhecida como síndrome do cadáver ambulante. Trata-se de uma condição médica na qual o indivíduo acredita estar morto ou que seus órgãos não estejam mais funcionando ou necrosados, ou ainda, de que seus familiares, amigos ou o mundo que o rodeia não existem mais.

'Síndrome de Koro' ou 'Síndrome da Redução Genital'
Esse distúrbio mental deixa o indivíduo convicto de que seus genitais estão desaparecendo. O transtorno começou a chamar a atenção em 1967, quando o serviço de saúde de Cingapura registrou centenas de casos de homens que acreditavam que seu pênis estava sumindo. Por conta disso, muitas pessoas em países da Ásia ou da África acreditam que a síndrome é contagiosa, mas não há comprovação científica disso. Há apenas um caso desses registrado no Brasil. Um homem, que estava convencido de que seu pênis estava sumindo, tentou se matar com duas facadas no abdômen, de acordo com informações do Instituto de Psiquiatria da USP.

'Maldição de Ondina'
O nome estranho faz referência a Ondina, ninfa das águas na mitologia pagã europeia. O transtorno faz com que as vítimas percam o controle da respiração e é bastante preocupante porque se o portador esquece de respirar e acaba sufocado. Descoberta há 30 anos, o transtorno já afetou cerca de 400 pessoas no mundo. Pesquisadores do hospital Enfants Malades, de Paris, acreditam que a doença esteja relacionada com um gene chamado THOX2B.

'Síndrome de Stendhal'
Em 1817, o autor francês Stendhal teve palpitações e cambaleou quando estava em visita à cidade de Florença, Itália. A síndrome que leva seu nome faz com que pessoas que atingem um estado completo de admiração contemplativa comecem a sentir taquicardia, tonturas, desmaios, confusão e até mesmo alucinações. Ou seja, trata-se de uma desordem psicossomática que provoca estas reações em pessoas expostas a belezas naturais e obras artísticas, principalmente com grande significância pessoal.

'Síndrome de Alice no País das Maravilhas'
O transtorno provoca distorções na percepção visual, fazendo com que alguns objetos próximos pareçam desproporcionalmente minúsculos. O distúrbio foi descrito pela primeira vez em 1955, pelo psiquiatra inglês John Todd, que o batizou em homenagem ao livro de Lewis Carroll. Na obra, a protagonista Alice enxerga coisas desproporcionais. As vítimas da síndrome também vêem distorções no próprio corpo, acreditando que parte dele está mudando de forma ou de tamanho.

'Síndrome do sotaque estrangeiro'

Essa condição médica rara, faz com que os pacientes desenvolvem uma fala similar a um sotaque estrangeiro. Um bom exemplo seria um brasileiro que, mesmo morando em sua terra natal, desenvolve espontaneamente o sotaque de uma pessoa dos Estados Unidos. Especialistas acreditam que existam menos de 20 pessoas em todo o mundo sofrendo do mesmo problema. O primeiro caso registrado foi o de uma mulher atingida durante um bombardeio na Noruega, em 1941, que passou a falar norueguês com sotaque alemão. No Brasil, o único caso conhecido é do cantor Édson Oliveira, mais conhecido como Russo.

'Síndrome de Capgras'
Esse é um raro distúrbio no qual uma pessoa sofre de uma crença ilusória de que um conhecido, normalmente um cônjuge ou outro membro familiar próximo, foi substituído por um impostor idêntico. A síndrome de Capgras é classificada numa categoria de crenças ilusórias envolvendo erros de identificação a respeito de pessoas, lugares ou objetos. Pode ocorrer de forma aguda, passageira ou grave. Embora seja comumente chamada de síndrome por poder ocorrer com ou paralelamente a várias outras desordens e doenças, alguns pesquisadores argumentam que deveria ser considerada mais um sintoma de algo do que uma síndrome em si mesma.