Se essa rua fosse minha

Baixa dos Sapateiros: um passeio pra comprar muito e gastar pouco

Você vai adorar o esquema bbb: bom pra bater perna, bonito para os olhos e barato para o bolso.

Ive Deonísio e Luriana Morais (falecomseessarua@gmail.com)
- Atualizada em

Passeio bom a gente já começa assim, com história pra contar. A Rua J.J. Seabra se transformou em Baixa dos Sapateiros por causa da música de Ary Barroso que leva esse nome. Essa Bahia que não lhe saía do pensamento nos presenteou com lugares incríveis e curiosos como este. Por aqui, é possível comer muito bem e comprar barato, e só isso já é um convite irrecusável pra você embarcar nessa com a gente.

O que não falta na Baixa dos Sapateiros é opção de comida barata. Prato cheio pro paladar e pro bolso
Quem gosta de descobertas pitorescas, vai adorar a vila que encontramos por lá:
Olha aí a entrada da vila
vizinhança animada e falastrona, casas coladinhas umas com as outras e cheiro de comida boa no ar. Para chegar na vila e experimentar o maravilhoso feijão feito na brasa de churrasqueira de dona Dalva, entre na primeira ruela à direita depois da Igreja de Sant'Ana. A feijoada é sempre aos sábados e reúne de moradores antigos a curiosas como nós. É o típico prato que a gente come lambendo os beiços e fazendo aquela argamassa deliciosa com farinha.  

Sabe quando a gente precisa sair mas não tem roupa? A Baixa dos Sapateiros foi criada para resolver esse problema nosso de quase todo dia. O paraíso das 'brusinhas' de 2 reais escancarou as portas pra gente e fizemos que nem a prima rica quando vai ao shopping: abrimos a carteira e gastamos tudo. No caso, todos os 20 reais que a gente tinha. Mas deu pra voltar pra casa com vestidos e shortinhos lindos.
Além do preço, as peças tem um bom adicional: a pechincha
Não dá pra andar pela Baixa dos Sapateiros sem se encantar com as histórias de lá: o curioso Cine Tupy, que hoje só exibe filmes 18+, o lindíssimo casarão Lar Santa Izabel, que já foi visitado até por Dom Pedro II, e a deliciosa Panificadora Paris, que vende aqueles quitutes enormes que todo mundo gosta.
A frase “filmes adultos” já diz tudo. Tirem as crianças da sala
Um verdadeiro sonho o sonho desse lugar
O maravilhoso casarão Lar Santa Izabel
E agora vem aquela parte do passeio que a gente adora, o momento de resgatar a memória afetiva e relembrar as histórias contadas por nossas mães e avós. É assim que a gente se sente quando passa pelo grafite em homenagem à Mulher de Roxo, que deu origem à maior lenda urbana de Salvador. Se você tiver mais de 40 anos, feche os olhos e a imagine andando ali pela Rua Chile em direção à Slopper. Se não tiver, corra aí atrás de mainha e pergunte pra ela. Juntos, vocês vão fazer uma deliciosa volta ao passado.
O lindo trabalho que relembra as histórias da mulher de roxo
A Baixa dos Sapateiros levou durante anos a fama de decadente. Depois de um longo processo de revitalização, ela está mais limpa, organizada e pronta para surpreender. Foi assim com a gente e temos certeza de que vai ser assim com você. Reúna os amigos, coloque uma roupa bem confortável e vá turbinar essas canelas. Quem sabe a gente não se bate por lá?


Serviços:

Uka Modas
Local:
Av. J.J. Seabra, 279
Quando ir: de segunda a sábado
Horário de funcionamento: das 9h às 17h
Telefone: 99143 6658
 
Cine Tupy
Local:
Av. J. J. Seabra, 357
Quando ir: todos os dias
Horário de funcionamento: das 10h às 18h
Telefone: 3242 4179
Preço: Todos pagam meia - R$10
 
Padaria Paris
Local:
Ladeira da Praça, 33
Quando ir: de segunda a sábado
Horário de funcionamento: das 6h às 20h
Telefone: 3014 4580


*O projeto "Se Essa Rua Fosse Minha" visita diversos bairros soteropolitanos, carinhosamente chamados de ruas, numa das muitas licenças poéticas que você vai encontrar nos textos. Ali, as publicitárias Luri Moraes e Ive Deonísio se encantam com as pessoas, conversam animadamente com os moradores e se deixam levar por esse mar de amor que emana das ruas de Salvador.


Mais histórias e fotos em @seessarua_fosseminha