Se essa rua fosse minha

Descobrindo o Nordeste de Amaralina (Pode vir pro Nordeste!)

Encontramos um bairro de pessoas criativas, empreendedoras e uma feira com muita pechincha e variedade.

Ive Deonísio e Luriana Morais* (falecomseessarua@gmail.com)
- Atualizada em

Pra começar, uma contextualização: o complexo do Nordeste de Amaralina é formado pelo Nordeste e Santa Cruz nas partes mais altas e Vale das Pedrinhas na parte mais baixa. Atualmente, o ponto mais famosinho de Amaralina é a Escada Segundo Sol, que fica na 3° Travessa Delmário Pinheiro. Ela foi pintada para a abertura da novela, mas com 30 dias e muitas chuvas depois, a pintura saiu. Daí que rolou um mutirão de voluntários para recuperação do local. E agora já vai ser usada novamente para um comercial de cerveja.

Outra estrela do bairro é o Quabales. Não, eles não são necessariamente um ponto turístico, apesar de terem uma sede própria. O Quabales é um coletivo incrível de música, performance e percussão que não usa instrumentos convencionais. Inspirados no Stomp, eles tiram som de baldes, latas de lixo e varas de madeira. Vale a pena assistir a uma apresentação. Você vai sair encantado e com a certeza de estar valorizando um produto de qualidade que é coisa nossa.
A gente nem imaginava, mas tem uma parte do Nordeste que respira o Carnaval do Circuito Mestre Bimba o ano todo. O Carnaval do Nordeste é tão bom que nos contaram que quase ninguém desce para os circuitos mais tradicionais. E tem mulheres protagonistas da festa que organizam os próprios bloquinhos. Há 9 anos, Dina criou o bloco as Direitinhas, que sai toda quinta de Carnaval. Claudia organiza o Bloco Balãozinho, o único infantil que sai às segundas no Nordeste. Lá também tem bloco de tudo quanto é jeito, as casas se enfeitam para disputar o camarote mais bonito e o negócio na rua pega fogo!
Mas a nossa surpresa mesmo foi a feira. Ela é enorme, tem muita variedade, preços excelentes. A feira é uma das mais famosas da cidade. Todo domingo o fim de linha fica lotado de barraquinhas, de gente e de sacolas coloridas. A couve e a alface custam 1 real, pensem em uma pechincha boa!

E já que a gente tá falando de comida, assim, logo de cara, vamos recomendar o Boteco do Piri, um dos melhores restaurantes da cidade. Mas o Piri é muito mais que isso, é uma história de retorno às raízes. Ele passou anos no Nordeste de Amaralina e depois foi para a Pituba, mas os clientes pediram para voltar para seu local de origem. Quando a gente se sente em casa não tem jeito, e é no Nordeste que Jailton Fernandes - o chefe do Piri, que começou como lavador de pratos e virou chef no restaurante do Yatch Clube e, depois, do Chez Bernard - mora e se sente bem.

Em 2008, montou o Boteco do Piri, um restaurante de frutos do mar com cadeiras na rua e cozinha aberta, onde o chef vai de mesa em mesa cumprimentar as pessoas. O melhor de tudo: todos os 11 funcionários são moradores do Nordeste de Amaralina. É gente do bairro empregando mais gente do bairro. Um lugar que está na Rua da Alegria não dá pra ser menos que maravilhoso, né?
Nossa visita ao Nordeste de Amaralina causou espanto em muita gente que achava o bairro perigoso e surpresa em quem pensava que lá não tem o que fazer.  Pra gente, ficou mesmo a recordação de um local cheio de vida, em que as pessoas andam na rua e o comércio abre todos os dias da semana. É claro que tem poder paralelo, como existe em outros locais da cidade. Mas nada é aparente, nem chegamos perto de sofrer riscos e nos sentimos tão seguras quanto no Santo Antônio Além do Carmo.
O nosso muito obrigada a Robert, do Nordeste Eu Sou e Karine Guimarães, que foram anfitriões maravilhosos e fizeram esse passeio muito mais agradável :)
SERVIÇO
Boteco do Piri
Rua Alto da Alegria, 200, Nordeste de Amaralina
Segunda a Sábado, 11h30 às 23h30
Domingos e feriados 11h30 às 19h
Telefone: 98791-0096 (whatsApp)

O projeto "Se Essa Rua Fosse Minha" visita diversos bairros soteropolitanos, carinhosamente chamados de ruas, numa das muitas licenças poéticas que você vai encontrar nos textos. Ali, as publicitárias Luri Moraes e Ive Deonísio se encantam com as pessoas, conversam animadamente com os moradores e se deixam levar por esse mar de amor que emana das ruas de Salvador.  Mais histórias e fotos em @seessarua_fosseminha.