Transformação Digital

Aplicação da Realidade Virtual vai além do entretenimento

VR é uma tecnologia de interface que permite que o usuário se sinta em um ambiente virtual

Especial de Conteúdo

Imagina imergir para um outro mundo de uma forma tão realista que você acaba acreditando que ele faz parte do real? Isso pode ser possível com o avanço da Realidade Virtual (VR, do inglês Virtual Reality). Esse é um dos temas mais importantes quando falamos em transformação digital e que pode ter muitas aplicações, a partir do seu desenvolvimento.

“A Realidade Virtual nada mais é do que uma tecnologia de interface que permite que o usuário se sinta em um ambiente virtual, elaborado a partir de um sistema computacional. A imersão fica ainda mais completa com o uso de efeitos visuais, sonoros, táteis e até com a interação do usuário”, explica o cientista da computação Júlio Esslinger Viégas.

A tecnologia pode ser chamada de vestível, pois costuma ser apresentada em forma de óculos ou capacete, permitindo assim que o ambiente virtual proporcione uma imersão total ao usuário em um ambiente digitalmente criado.

Muitas possibilidades
A VR possibilita inúmeras aplicações em nosso cotidiano por conta de suas três principais características: imersão, interação e envolvimento. Muitos usuários têm acesso a VR a partir das experiências com games. Um desses casos é Virtualizer Cyberith, que permite ao jogador sentir-se dentro de um game.

Entretanto, a aplicação da Realidade Virtual vai além do entretenimento. Na verdade, os soldados norte-americanos realizam treinamentos, imersos em ambiente simulado desde os anos 1970. Em abril de 2016, o médico britânico Dr. Shafi Ahmed realizou a primeira cirurgia com o uso da VR. Durante o processo operatório, a retirada de um câncer no intestino foi transmitida ao vivo no site Medical Realities.

“A área de saúde, por sinal, poderá ser uma das mais beneficiadas, caso a tecnologia seja realmente explorada, especialmente para o uso em cirurgias que exigem alta qualificação técnica”, opina Viégas.

A tecnologia também tem sido motivo de interesse para a área da indústria automobilística. Empresas como a Infinity, Ford, Mitsubishi e Volvo já afirmaram que buscam desenvolver uma tecnologia que permita o test-drive usando a VR. Isso ajudaria na venda de veículos para compradores distantes.

Conceitos diferentes
Apesar das tecnologias convergirem em determinados pontos, a VR e a Realidade Aumentada (AR, do inglês Augmented Reality) possuem conceitos diferentes. Na AR, a ideia é aumentar a percepção que o usuário tem da realidade a partir de elementos virtuais, mas mantendo a ideia do mundo real ao usuário.

O grande diferencial a VR é a experiência imersiva que ela proporciona, fazendo o usuário sentir ou vivenciar coisas que não existem no real. Já a proposta da AR é trazer elementos do mundo digital para o nosso mundo real, vindo para complementar o nosso sentido. De uma forma bem simples, ao colocar o óculos de Realidade Virtual você mergulha em um novo mundo, enquanto que o óculos de Realidade Aumentada adiciona elementos ao seu mundo real.

Há também quem confunda a VR com os vídeos 360°. Mas a principal diferença entre os dois é que os vídeos 360° não permitem uma interação com esse mundo que ele apresenta, apenas proporciona uma mudança da visão do usuário.

Próximos passos da Realidade Virtual
Desde 2016, muitos avanços e pesquisas foram anunciados pelas empresas na área da Realidade Virtual. Porém, ainda há uma grande preocupação com a capacidade em se oferecer uma experiência satisfatória ao usuário. “Uma das áreas que mais precisará de investimento é a internet, uma vez que a VR tem como principal requisito a necessidade de transmissão de banda (vídeo) em alta definição. Isso porque vídeos com baixa qualidade ou quadros por segundo (fps) podem causar náuseas nos usuários, o que prejudica a divulgação da tecnologia”, afirma o cientista da computação.

Muitas empresas já estão apostando que os consumidores terão contato mais direto com a VR a partir de 2020 – e isso pode ficar ainda mais fácil com a chegada da rede 5G.  “A rede 5G vai permitir que a gente tenha mais velocidade na transmissão de dados, o que é necessário para o desenvolvimento das tecnologias”, conta o especialista em tecnologia Cristiano Kanashiro.

Apesar disso, já é observado um crescimento exponencial do mercado de VR. Em 2014, havia cerca de 200 mil usuários da Realidade Virtual no mundo contra os 171 milhões projetados para 2018. A indústria de realidade virtual também vem passando por um aumento exponencial. Em 2014, ela movimentava US$ 90 milhões. Para 2018, a expectativa é que a indústria movimente US$ 5,2 bilhões e em 2025 esse valor suba para US$ 45 bilhões.