Transformação Digital

Problemas do dia a dia das cidades podem ser solucionados com dados de big data

Análise desses dados tem sido utilizada para facilitar a nossa vida em seus diferentes aspectos

Especial de Conteúdo

A tecnologia tem feito cada vez mais parte do nosso dia a dia. Com o aumento do número de pessoas conectadas e o avanço na velocidade de análise do grande volume de dados que são gerados por segundo, o Big Data tem se tornado cada vez mais útil em pesquisas sobre o comportamento dos cidadãos nas cidades.

Pode parecer algo longe da nossa realidade, mas a análise desses dados tem sido utilizada para facilitar a nossa vida em seus diferentes aspectos. “A Internet das Coisas facilitou bastante a aquisição de dados, porque barateou os dispositivos de coletas de dados, como notebook, celular e outras tecnologias. Inevitavelmente, os dados que você produz vão ser armazenados”, explica Genaro Costa, especialista em computação de alto desempenho da Atos, líder mundial em transformação digital.

O funcionamento de Cidades Inteligentes está ligado também ao conceito de Big Data
A análise e tratamento desses dados produzidos por cada indivíduo a todo instante é o que chamamos de Big Data. A partir da análise de dados que se repetem, é possível encontrar uma correlação entre dois comportamentos. Esse mecanismo já é utilizado pelas grandes empresas e corporações, para entender melhor o seu cliente e gerar facilidades. No marketing, por exemplo, isso permite que assim que você entre em um site, ele já ofereça uma publicidade voltada para o tipo de coisa que você pesquisou anteriormente em seu computador.

Facilidades no dia a dia
Antes de qualquer coisa, é preciso entender que a necessidade de identificar a veracidade dos dados que são coletados. Isso se tornou possível a partir do Big Data, que usa suas análises de dados e estatísticas em grande volume para identificar o que é ou não verdadeiro. Essas informações precisam ser contextualizadas para que possam gerar insumos importantes para empresas.

E como o cidadão comum pode se beneficiar desse processo? A resposta é simples: a partir do uso dos serviços que são aprimorados graças a essa técnica. Por exemplo, é devido ao Big Data que o seu celular lhe informa como está o trânsito na sua região em um horário que ele percebe que normalmente você usa para deslocamento.

Essas informações são provenientes de dados compartilhados ao se utilizar uma rede de dados móveis ou um aplicativo que permita a captura de informações do GPS. Como consequência, o cidadão recebe informações personalizadas que resultam em benefícios para ele.

Para Cesar Cavani, consultor de projetos e head da área de analytics, o uso do Big Data no desenvolvimento das cidades é importante porque "Você já não consegue resolver os mesmos problemas da mesma forma".

Big Data é aliado nas cidades inteligentes
O avanço da tecnologia tem permitido muitas transformações nos grandes centros urbanos em cidades inteligentes. Há hoje em dia uma variedade de plataformas disponíveis no mercado que possibilitam às secretarias de desenvolvimento urbano entender e estabelecer suas prioridades. Utilizando-se da análise de dados coletivos, é possível debater e estabelecer medidas que melhorem o cotidiano dos cidadãos.

No entanto, para serem efetivos, Cavani defende que esses conceitos sejam aplicados em outros setores da sociedade. “Algo que falta hoje é ter, por exemplo, a programação como uma disciplina como é a matemática e não mais um assunto da informática. Nosso desafio é essa mudança de cabeça e maior preparo, didaticamente, e qualificação profissional”, exemplificou.

Urbanos e inteligentes
O conceito de Big Data tem sido muito usado também para transformar grandes centros urbanos em cidades inteligentes. Os dados podem ser usados também para estimarem o número de visitantes na cidade e saber em qual época do ano eles estão mais presentes e em quais lugares eles mais frequentam.

No caso de Salvador, por exemplo, que recebe muitos turistas no verão e no período do Carnaval, esses dados podem auxiliar aos órgãos municipais durante a construção de estratégias de logística, segurança e ações na mídia voltadas para turistas que ainda não frequentam a cidade.