Festival de Verão

Bandas vencedoras do concurso agitaram o Palco Itaipava no domingo: 'Experiência única'

Mistura de ritmos reuniu ritmos rock, MPB, axé e rap

Carlos Bahia* (carlos.filho@redebahia.com.br)
- Atualizada em

Não só de Wesley Safadão, Ivete Sangalo, Léo Santana e Melim viveu o FV 20. A 21ª edição do festival abriu oportunidade para bandas desconhecidas do grande público mostrarem o trabalho em busca de um lugar ao sol. Neste domingo (2), quatro bandas subiram ao "Palco Itaipava: De Som a Sol" para agitar o público.

"Foi uma emoção única", sintetizou Ives Fers, vocalista da banda Rock Night Club, que abriu os trabalhos no palco. "A gente nunca imaginou participar de um produto nacional como o Festival de Verão", complementou o cantor.

Banda Rock Night Club (Foto: iBahia)

Se Ives não imaginava chegar ao Festival de Verão, Mateus Aragão não só imaginava, como prometeu à namorada, Renata Teixeira, que tocaria nesta edição do Festival. "A gente veio na última edição e eu falei para ela: 'A gente vai tocar no próximo festival. Não sei como, mas a gente vai'", contou a estudante de publicidade e namorada do guitarrista da banda Avenida à equipe do iBahia.

Assim como o Palco Itaipava, a banda Avenida estreou neste Festival de Verão. "É o primeiro show da história da banda. A gente vem ensaiando há mais ou menos um ano para esse momento", vibrou Mateus, que toca com o irmão Filipe e outros músicos que os dois conheceram através da Associação Pracatum.

Banda Avenida (Foto: iBahia)

Vidas fora do palco

Nem todos os músicos conseguem viver exclusivamente de sua arte. Os cantores da banda Meio do Céu revelaram que têm outras profissões. Um formado em administração, uma formada e arquitetura e tem até motorista de Uber. Como se não bastasse, Rodrigo Queiroz ainda vende mel. "Ele (Rodrigo) leva o mel para os ensaios de vez em quando. É bom que dá uma adocicada para a gente (risos)", brinca o Mirow Cavalcante, que complementa: "Hoje a gente vive de alguma coisa e é músico, não o contrário. Pelo menos por enquanto não dá para viver só da música".

Apesar da dificuldade de viver exclusivamente da arte, Camila Nogueira revela que o concurso veio em um momento especial da banda. "Foi uma sensação massa de estar aqui e, apesar de ser uma coisa nova, foi bem tranquilo tocar para esse pessoal". A cantora/arquiteta também revelou ao iBahia a gratidão que tem aos familiares por ter ganho o concurso. "A gente deve muito à nossa família e amigos, porque se fomos uma das bandas a ganhar a votação devemos a eles. Eu queria muito mas não imaginava chegar aqui", vibrou.

Apadrinhados

Além das três bandas vencedoras do concurso, a noite contou com a apresentação da banda Vitrola Baiana, convidada para apadrinhar os outros grupos. "Nós somos frequentadores do Festival de Verão, e para a gente é uma honra fazer parte dessa história", contaram os irmãos Guga e Marcelo, voacalista e baixista da banda, respectivamente. A Vitrola abre suas portas para convidados há mais ou menos seis anos. Já estivemos nesse estágio de início e sabemos da importância de ver a produção e logística de bandas maiores, então foi um momento de troca bem bacana", disseram os músicos, que ainda tiveram um momento com a banda Avenida em cima do palco, durante a apresentação do Vitrola Baiana.

A proposta do Palco Itaipava foi aprovado por Antônio Marcos e Iracema Santos. "É uma oportunidade para conhecer novas pessoas e dar chance, afinal o mercado é muito vasto", comenta o professor. O casal não conhecia as bandas que subiram ao palco, mas valorizaram o momento. "É uma chance de descobrir novos talentos", enaltece a assistente social.