Verão

Fita isolante no bronze: especialistas falam sobre riscos

Se expor por muito tempo ao sol com a intenção de se bronzear é uma atitude perigosa que pode gerar graves consequências no futuro

Redação iBahia (redacao@portalibahia.com.br)
- Atualizada em

O verão é a época do ano em que os cariocas fazem questão de mostrar suas marquinhas de biquíni. Homens e mulheres aderiram à moda da fita isolante para deixar o desenho bem feito. Mas se expor por muito tempo ao sol com a intenção de se bronzear é uma atitude perigosa que pode gerar graves consequências no futuro. E o uso da fita é uma preocupação extra para os médicos.

Foto: Reprodução/AgNews

— A cola da fita pode provocar um eczema de contato, que faz aparecer vermelhões e até bolhas. Por isso as pessoas não devem se bronzear usando a fita isolante. A minha recomendação é que, neste verão, ninguém vá para a laje se bronzear por causa da alta incidência de raios ultravioletas — orienta Murilo Drummond, dermatologista e professor titular do Instituto de Pós-Graduação Carlos Chagas.

Ana Luisa Bittencourt Jeunon, assessora do departamento de Dermatologia e Medicina Interna da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), lembra do risco de doenças ainda mais graves:

— O sol, depois de anos de queimaduras, é um fator de risco maior para o desenvolvimento de câncer de pele.

A pele bronzeada, tão desejada na juventude, é mais suscetível ao fotoenvelhecimento (envelhecimento da pele causada pela luz).

— Esse dano que o raio ultravioleta causa na pele para deixá-la bronzeada faz com que ela tenha rugas e manchas em maior quantidade. Por exemplo, a pessoa que sempre foi para a praia de maiô e nunca bronzeou a barriga, se você comparar a pele da barriga com a do braço ou a do rosto, essas últimas vão estar mais manchadas e enrugadas — afirma Ana Luisa Jeunon.

Bronzeadores caseiros fazem a pele ‘fritar’

Uma das grandes preocupações dos dermatologistas é o uso de bronzeadores caseiros. Essas fórmulas possuem substâncias que “fritam” a pele.

— Bronzeadores industrializados possuem um pequeno fator de proteção solar, que protege um pouquinho e possibilita o bronzeamento. Já as fórmulas caseiras levam substâncias que sensibilizam a pele ao sol, como o uso de limão, o que aumenta ainda mais o risco de queimaduras. De qualquer forma, eles não são seguros, principalmente para pessoas que são muito brancas — diz a dermatologista Ana Luisa Jeunon.

Os especialistas lembram que cada pessoa tem um limite para se expor ao sol sem se queimar e isso varia de acordo com o tom de pele: pessoas brancas estão sujeitas a se queimar mais, enquanto as negras, sofrem menos com o sol. De qualquer forma, é preciso se proteger ao máximo.

Maneira menos prejudicial de se bronzear


Hora certa

Aquela regra dos horários continua valendo: evite se expor ao sol entre 10h e 16h.

Use o protetor

O fator mínimo é de 30 FPS. Mesmo com o produto, a pele fica bronzeada.

Aos poucos

Não importa o seu tom de pele, você não vai conseguir o bronzeado “perfeito” em um dia. Para não causar queimaduras graves nem problemas como insolação, é preciso se expor ao sol poucos minutos por dia.

Alimentação

Frutas e legumes de cor laranja e amarela e folhas verde escuras são ricos em betacaroteno, vitamina que ajuda a manter o bronzeado na pele por mais tempo. Consuma esses alimentos com regularidade.