Xô Mosquito

Diagnosticar dengue, zika e Chikungunya é essencial para evitar complicações

É com atendimento médico que o paciente será diagnosticado com alguma das três doenças e terá o tratamento adequado

Especial de Conteúdo
- Atualizada em

Oferecimento
Por serem transmitidas pelo mesmo mosquito, o aedes aegypti, muitas pessoas acreditam que a dengue, zika e Chikungunya têm o mesmo tratamento. No entanto, a falta de um diagnóstico e uma indicação médica do que fazer pode aumentar o risco de complicações geradas pelas três doenças.

Primeiro é necessário entender que apesar de serem arboviroses transmitidas da mesma forma, elas possuem características diferentes. A dengue e a Chikungunya têm sinais e sintomas mais parecidos, mas a primeira se destaca pela febre alta e a segunda por dores e inchaços nas articulações. Já a Zika tem como característica uma febre mais baixa, ou inexistente, muitas manchas na pele e coceira.

A Secretaria de Saúde da Bahia (Sesab) recomenda que, em caso de sintomas, seja procurada a unidade de saúde mais próxima de sua residência. É com atendimento médico que o paciente será diagnosticado com alguma das três doenças. O exame de sangue ajuda muito na diferenciação dos casos, já que a queda nas plaquetas e a leucopemia são mais fortes na dengue e quase inexistentes na zika.

A partir do diagnóstico, cada doença seguirá um tratamento indicado pelo médico. Tratamentos equivocados para determinada doença podem aumentar a chance de complicações. 

No caso da dengue, complicações agudas podem gerar hemorragias graves. Ocorrem quando a febre começa a ceder e existem alguns sinais de alarme, que devem levar a pessoa a procurar uma unidade de emergência, como vômitos persistentes, dor abdominal e sangramentos. 

Em caso de complicações, pessoas com zika podem ter persistência das dores e edema articular, e no caso das grávidas os bebês podem nascer com má formação congênita, como por exemplo a microcefalia, em que o cérebro não se desenvolve de maneira adequada.