Xô Mosquito

Pandemia do coronavírus torna ainda mais importante combate a dengue e Chikungunya

Em um momento em que se trabalha para evitar o colapso do sistema de saúde, torna-se ainda mais importante conscientizar sobre os focos de transmissão da doença

Especial de Conteúdo
- Atualizada em

Oferecimento
Em meio a pandemia do novo coronavírus, é preciso alertar também para outras doenças que costumam aparecer nesta época do ano e devem ser combatidas. Como a dengue e a chikungunya, arboviroses transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti.

As arboviroses urbanas representam um dos principais problemas de saúde pública no Brasil, devido a quantidade de surtos e epidemias registradas nos últimos anos, o que gera uma sobre carga dos serviços de saúde. Em um momento em que o Governo estadual trabalha para evitar o colapso do sistema de saúde devido à covid-19, doença causada pelo novo coronavírus, torna-se ainda mais importante conscientizar a população sobre os focos de transmissão da doença. 

No último boletim apresentado pela Secretaria de Saúde da Bahia (Sesab), referente à 29 de dezembro de 2019 a 2 de maio deste ano, o estado registrou 34.645 casos de dengue e 8.746 casos de Chikungunya. Os números divulgados pela pasta mostram ainda que os casos notificados das duas doenças cresceram em relação a anos anteriores. No caso da Chikungunya, por exemplo, observou-se um incremento de 658,1% no número de casos notificados.

A secretaria ainda destaca que, em decorrência da pandemia do novo coronavírus, pode haver uma subnotificação devido a diminuição da detecção dos casos na assistência à saúde.

Faça sua parte

Diminuir os riscos de contaminação da dengue e Chikungunya depende muito da população. É preciso ficar atento a possíveis focos de mosquitos. Confira algumas dicas:

- Mantenha bem tampados cisternas, caixas, poços, tonéis e barris de água;


- Não deixe a água da chuva acumular sobre a laje e calhas entupidas;


- Coloque o lixo em sacos plásticos e mantenha a lixeira sempre bem fechada;


- Não jogue lixo em terrenos baldios;


- Se for guardar garrafas de vidro ou plástico, mantenha-as sempre com a boca para baixo para evitar o acúmulo de água;


- Encha os pratinhos ou vasos de planta com areia até a borda;


- Sempre que possível evite o cultivo de plantas como bromélias ou outras que acumulem água em suas partes externas;


- Piscinas e fontes decorativas devem ser sempre limpas e cloradas;


- Os vasos de plantas aquáticas devem ser lavados com água e sabão, toda semana. É importante trocar a água desses vasos com frequência;


- Lave com frequência, com água e sabão, os recipientes utilizados para guardar água, pelo menos uma vez na semana;


- Limpe as calhas com frequência;


- Se for guardas pneus velhos em casa, retire toda a água e mantenha-os em locais cobertos, protegidos da chuva.