Comportamento

Ah, Bahia, como foi bom te rever nesta noite de muita história

Lançamento de 'Segundo Sol' foi além de uma simples festa

Guinho Santos (guinho.santos@redebahia.com.br)
- Atualizada em

Foi lindo de ver. O Teatro Castro Alves estava lotado na noite desta segunda-feira (14) para celebrar a nossa terra, a nossa Bahia. Cerca de 1,5 mil pessoas foram ver de perto o lançamento da novela 'Segundo Sol', ambientada aqui, e eu digo uma coisa que senti nesta noite: foi de arrepiar.

Foto: Divulgação

Logo na entrada a gente já dava de cara com a história do Carnaval, com uma exposição fotográfica incrível de Osmar Gama. Cada personagem que fez a nossa música ganhar vida dentro e fora do nosso país estava registrado ali. Tinha Sarajane, Armandinho, Dodô e Osmar, Filhos de Gandhy, Ilê Aiyê, Luiz Caldas, Olodum, Margareth Menezes, Carlinhos Brown, Ivete Sangalo, Daniela Mercury e muito mais.

Foto: Divulgação
Cheguei a conversar com algumas senhoras que estavam ali para entender o motivo que a fizeram sair de casa em plena segunda à noite e todas responderam da mesma forma: ver a Bahia no horário nobre. "Vai revelar muita coisa da nossa história", disse Rita de Cássia, de 58 anos, da Liberdade. "Espero que seja gostosa de se ver, sem muita palhaçada e sem os sotaques que a gente não tem", contou Marisa Santos, também de 58 anos, de Cajazeiras. Marisa, inclusive, me contou que fez figuração na trama e que estava ali também para tietar: "quero ver os famosos e poder tirar uma selfie. É isso que a gente leva de presente".
Foto: Divulgação
Entre os olhares à procura do novo - tinha quem estava em um teatro pela primeira vez, acredite -, muitos aproveitavam também para bater aquele velho rango. Falar de Bahia e não ter comida, será que rola? Acho que não, né?! Lá tinha acarajé, abará, cocada, bolinho de estudante e beiju. Vi ainda muita gente alimentando as redes sociais com fotos em frente ao cenário que a produção criou no foyer do teatro, com direito até a cadeiras e areia de praia.

Fotos: Divulgação

O espetáculo em si? Ah, meu querido. Como eu falei no início do texto: foi lindo de ver. Os Filhos de Gandhy abriram a noite com um verdadeiro cortejo passando pelo meio do público. O 'tapete branco' foi levando a galera para as suas cadeiras, anunciando que a noite ia começar. E foi um show atrás do outro. Teve Os Irmãos Macedo, o pai do axé Luiz Caldas, o mais belo dos belos Ilê Aiyê, Márcia Short, Gerônimo, a percussão inconfundível do Olodum e quem se juntou ao grupo foi Margareth Menezes.

Foto: Saulo Brandão

E ela chegou chegando. Puxando 'Faraó', Maga me fez arrepiar e levantou a plateia toda. Juro! Sem dúvidas quem estava ali sentiu o mesmo que eu. Que voz, que orgulho de ser baiano, que coisa linda nossa Bahia é. E o público retribuiu em coro. Não para menos, Margareth foi ovacionada. "O TCA vai desabar", brincou meu amigo Júnior Moreira". Sem dúvidas ela foi uma estrela à parte nesta noite. Mas tinha mais a vir. Timbalada seguiu o ritmo de Maga, mas os timbaus logo deram lugar ao poema que começava já falando do nosso lugar. "Ah, Bahia, que bom te rever. Andei com saudade de você", dizia o início, na voz suave de Saulo e que logo puxou um dos hinos da cidade, 'Raiz de Todo Bem'.  

Foto: Saulo Brandão

Por fim, todos se juntaram no palco novamente e cantaram para encerrar a noite com chave de ouro com 'Muito Obrigado Axé', de Carlinhos Brown e que ficou conhecida nas vozes de Ivete Sangalo e Maria Bethânia. Saí do teatro com um gostinho de 'quero mais' (queria mais shows, risos), mas com a sensação justamente que a música traz em sua mensagem: gratidão. Por quê? Eu vi a nossa cultura, nossa música e nossa história naquele lugar, nesta noite, e senti orgulho disso.

Foto: Saulo Brandão

Ah, esse texto foi sobre o evento, tá? Não quis me referir à novela.