E. C. Bahia

Publicada em 18/03/2013 às 11h21. Atualizada em 18/03/2013 às 12h15

Mais informações sobre Freddy Adu no Bahia; lateral aprova


Segundo presidente do Bahia, acerto está encaminhado e não deve demorar muito. Kléberson está indo jogar nos EUA


Ivan Marques
(ivan.marques@redebahia.com.br)
publicidade

A dica agora é o torcedor tricolor adiantar o curso de espanhol, para entender o meia argentino Rosales, e começar logo as aulas de inglês. O Bahia está próximo de fechar com o meia-atacante americano, mas nascido em Gana, Freddy Adu, de 23 anos. Vinculado ao Philadelphia Union, da Major League Soccer (MLS), a liga americana de futebol, o jogador viria para o Bahia em troca do volante Kléberson, encostado no Fazendão. Após ser divulgada por um site dos EUA, a negociação foi confirmada pelo Bahia.

“Não tá fechado não, mas está se encaminhando. Tomara que dê certo. Acho que não demora muito”, afirmou o presidente do clube, Marcelo Guimarães Filho, ao Galáticos Online. Adu surgiu como uma promessa mundial aos 14 anos. Na seleção americana sub-17, fez 16 gols em 15 jogos, sendo considerado o ‘novo Pelé’. Entrou na lista de clubes como Manchester United, Real Madrid e Chelsea.

No entanto, a pouca idade não permitiu a transferência do DC United, seu clube na época. Quando fez 18 anos, Adu foi contratado pelo Benfica e, apesar de uma boa primeira temporada, foi seguidamente emprestado para o Mônaco (França), Belenenses (Portugal), Aris (Grécia) e Çaykur Rizespor (Turquia). Após voltar ao Benfica, o americano acertou seu retorno aos EUA para jogar no Union.

Neste ano, ele não fez nenhuma partida pelo clube, por estar inativo. Na MLS, assim como em todos os esportes americanos, os times possuem um teto salarial, no caso de quase R$ 6 milhões para gastar anualmente com todos os jogadores. Adu, que assim como Kléberson tem contrato com seu clube até 2014, custa boa parte da folha salarial da equipe: cerca de R$800mil/ano. Pelas regras americanas, o jogador inativo não conta na folha. Assim, o Union arcaria com os salários de Kléberson, cerca de R$ 150 mil mensais - os estrangeiros possuem regra diferente- e o Bahia com metade do pagamento de Adu, cercade R$67 mil mensais.

O Bahia já tem relações com o futebol dos EUA. O atacante Rafael Gladiador está emprestado ao DC United, primeiro clube de Adu. Além disso, o meia Jéferson já passou pelo Sporting Kansas City, em 2011. Por incrível que pareça, Adu encontrará um conhecido no Bahia, o lateral-direito Neto, com quem jogou em 2010 no Aris. Neto, por sinal, foi o autor do cruzamento que acabou no primeiro gol de Adu com a camisa do clube grego. "É um bom jogador, que tem a perna esquerda como principal arma. É habilidoso, gosta de partir pra cima”, descreveu Neto.

Mais informações sobre Freddy Adu

Na história
Freddy Adu é um dos dois únicos jogadores a teremdisputados trêsmundiais sub-20. No primeiro, em 2003, na Finlândia, com 14 anos, foi vice-artilheiro.

Novo álamo
A liga americana vem atraindo diversas estrelas mundiais. Lá estão o francês Henry, os italianos Nesta, Ferrari e Di Vaio, o irlandês Keane e o brasileiro Juninho. Em 2012, a MLS teve média de público maior que a do Brasileiro: 18.807 x 13 mil.

Fenômeno americano
Adu possui mais de 415 mil seguidores no Twitter e é um ídolo americano. Nos EUA, nos comentários da notícia da provável transferência, internautas dizem que vão passar a torcer pelo Bahia. Lá, o nome dele se pronuncia 'Eidú'.





Tags: Freddy Adu, Bahia, Kléberson, Negociação
{{ commentsTitle }}
Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem. Ao comentar o autor da mensagem esta aceitando os Termos e Condições de Uso.
{{comment.username}} {{comment.creation_tstamp*1000 | date:'dd/MM/yyyy - HH:mm'}}
{{comment.comment}}
  • {{comment.dislike_count | number}}
Comentário aguardando moderação