Salvador

Metrô: onze anos, seis quilômetros e dois trens

Metrô vai ter duas composições e tempo de espera será de 12 minutos. Entre um passeio de ‘locotrator’ e outro, trem aguarda na Estação Bonocô

Lais Vita/ Redação CORREIO (lais.vita@redebahia.com.br)
- Atualizada em

A verba investida aumenta, o tempo passa, a paciência do soteropolitano incha e o número de trens... diminui. Há dois anos e meio, Salvador  recebeu seis trens para usar no metrô, mas agora a prefeitura anunciou que o primeiro trecho vai  operar apenas com duas composições.


A informação é da própria Secretaria de Infraestrutura e Transportes (Setin). O órgão prevê que a viagem de seis quilômetros da Lapa até o Acesso Norte  dure 12 minutos e explica que, com quatro trens, o tempo médio de espera seria de seis minutos. Porém, como só haverá duas composições operando, o tempo médio de espera dobra e passa a ser de 12 minutos.

Entre um passeio de ‘locotrator’ e outro, trem aguarda na Estação Bonocô

De acordo com a Setin, esse serviço  serve satisfatoriamente à população baiana. A prefeitura, porém, não informou onde estão os outros trens - três composições chegaram em Salvador em novembro de 2008 e outras três em janeiro de 2009. Em agosto do ano passado, todos foram colocados nos trilhos.


Os vagões permanecem adormecidos sobre os trilhos enferrujados. Em visita às obras na quinta-feira, a equipe do CORREIO registrou uma composição na Estação da Lapa - com a proteção de uma lona e coberta por uma quantidade de poeira suficiente para impedir parcialmente que o interior fosse visto. Dentro, os assentos  continuavam cobertos pelo plástico. Outro trem estava na Estação Bonocô.


Locotrator
Enquanto a população de Salvador espera sentada - ou engarrafada -, o único meio pra fazer o metrô de Salvador andar é o “locotrator”, um equipamento específico para puxar o veículo sobre trilhos.


Os trens, que estão sob a guarda da Companhia de Transporte de Salvador (CTS), são puxados para frente e para trás constantemente pelo “locotrator”, entre as estações Lapa e Campo da Pólvora - 33 metros abaixo da superfície - para que não permaneçam parados, já que a falta de movimento pode causar uma espécie de “calo”  nas rodas dos vagões - quatro em cada composição, que permitirão transportar 1.200 passageiros por viagem.

Nas estações vazias, uma voz no alto-falante alerta sobre segurança

Os trilhos de todo o percurso estão prontos, mas tomados por ferrugem. Apesar de a Setin insistir em negar que os trilhos estejam enferrujados, o técnico de segurança Everaldo Cardoso, que trabalhava nas obras, minimizou a questão. “Isso não é problema, porque quando o trem começar a andar, ficará limpo”.futuro A etapa de obras civis já está concluída e as instalações elétricas - que abrangem energização e automação dos serviços - têm conclusão prevista para julho, mas os testes finais só devem acontecer em dezembro.De acordo com a engenheira Teresa Barreto, uma das responsáveis pelo projeto do transporte, tudo depende da finalização da parte de automação do metrô, ou seja, ligar o sistema de controle eletrônico à estrutura física e fazer os trens rodarem.Em 2012, o metrô finalmente começa a rodar para a população, com o regime de tarifa assistida, que também fará parte dos testes. Nesse período, os passageiros poderão andar gratuitamente no transporte, para que conheçam e se habituem à cultura do metrô.O preço da passagem ainda é uma incógnita, mas, para o município, o bilhete deverá ser subsidiado para que esteja ao alcance do bolso da população. “A prefeitura de Salvador, como qualquer outra prefeitura onde exista o sistema metrô, buscará ter a tarifa subsidiada e integrada aos demais modais”, informou a assessoria da Setin.O Pátio Auxiliar de Manutenção (PAM) está em fase de pré-conclusão. De acordo com a Setin, a obra teve que ser adicionada em função da determinação do governo federal em dividir o metrô em dois trechos de seis quilômetros cada. No começo da semana, o titular da Setin, José Mattos, informou que vai pedir mais R$ 28 milhões ao Ministério das Cidades para conseguir concluir o pátio, que servirá para as manobras das composições.A prefeitura informou também que já foi feito um levantamento para abertura das vagas dos futuros funcionários do metrô, conforme determinação da Procuradoria Geral do Município. Mattos afirmou que o treinamento de 14 técnico da CTS estavam previstos para o segundo semestre deste ano. “Serão funcionários com experiência, que atuarão como maquinistas e técnicos de manutenção”, disse. Hoje, cerca de 300 operários e técnicos trabalham na finalização das obras.

O Centro de Controle de Operações é um sistema de observação das quatro estações e já está instalado



Cérebro das estações está ativo
Só falta andar. Essa é a impressão que se tem ao passear pelos trilhos e estações do interminável metrô de Salvador. No Acesso Norte uma voz feminina ao alto-falante já pede que os passageiros não fumem e mantenham-se atrás da faixa de segurança.


O letreiro eletrônico já informa as horas e avisa como crianças devem ser conduzidas nas escadas rolantes. Todos os pormenores das estações indicam que, aparentemente, a estrutura de suporte já está pronta para funcionar. O Centro de Controle de Operações (CCO), sistema de observação das quatro estações de metrô já está instalado, assim como todas as câmeras.


Os ATC´s - computadores de bordo do trem, que funcionam como o cérebro do metrô - estão sendo implementados. Eles permitirão a comunicação em tempo real nos vagões e funcionam como o cérebro do sistema de transporte. O ATC informa tudo o que ocorre no trem e é usado também em caráter preventivo. A subestação do metrô também está pronta e energizada e o Pátio Auxiliar de Manutenção (PAM), pré-concluída. Resta saber quanto falta para andar.


Orçamento não é apresentado (Por Priscila Chammas)
O Exército tinha prazo até ontem para apresentar um reorçamento das obras de Salvador. O secretário da Casa Civil da prefeitura, João Leão, foi então a Brasília buscar o documento, mas ontem à noite, ele retornou a Salvador de mãos abanando. Segundo ele, o trabalho não ficou pronto. “Estão faltando alguns ajustes”, disse Leão, sem explicar os motivos do atraso.


Segundo o secretário, o novo prazo para a apresentação do relatório é na próxima quarta-feira, quando terá que fazer nova viagem à capital do país. O orçamento foi uma exigência do Tribunal de Contas da União (TCU), depois de uma suspeita de superfaturamento nas obras. “Eles não têm compromisso com o cronograma, nem com nada. O TCU fez a determinação, mas quem teve que bancar os R$ 3,5 milhões foi a prefeitura”, reclamou o prefeito João Henrique, na quarta-feira.


Enquanto a construção do primeiro trecho do metrô se arrasta, a primeira audiência pública para tratar do transporte que será usado na Paralela já tem data marcada: dia 19 de julho, às 15h, na Câmara de Vereadores. Na ocasião, o secretário estadual do Planejamento, Zezéu Ribeiro, secretários municipais e a população em geral poderão debater acerca da escolha do modal.

Veja Mais